Doria e Bruno Covas reagem à mudança na F1 anunciada por Bolsonaro

Prefeito e governador afirmam que, se construção de autódromo no Rio de Janeiro for adiante, haverá disputa pela realização do evento

(Foto: Governo do Estado de São Paulo)

(Foto: Governo do Estado de São Paulo)

Política

Os tucanos João Doria e Bruno Covas, respectivamente governador e prefeito de São Paulo, rebateram o anúncio do presidente Jair Bolsonaro sobre o Grande Prêmio Brasil de Formula 1.

Na quinta-feira 9, o presidente sinalizou no Twitter que havia mexido as peças para que a corrida — realizada atualmente no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, fosse transferida para o Rio de Janeiro. Prefeito e governador afirmam que, se a capital fluminense pleitear virar a sede do prêmio, haverá disputa.

“O Rio de Janeiro pode buscar suas próprias vocações. Se quiser disputar Fórmula 1, vai disputar com São Paulo. E São Paulo tem mais chances de vencer que o Rio”, disse Doria. Segundo ele, o contrato da Fórmula 1 com a prefeitura de São Paulo vence em 2020, e o governo estadual vem atuando para renová-lo.

Bolsonaro escreveu que, depois de vencer as eleições, a Fórmula 1 não apenas teria desistido de deixar o Brasil como construiria um novo autódromo no Rio de Janeiro. Mais tarde ele negou, entretanto, que tenha influenciado a negociação.

 

“Fiquei sabendo que há negociação da ida da Fórmula 1 para o Rio de Janeiro. Eu não tive participação nenhuma nisso. A decisão é dos próprios organizadores que, inclusive, iam sair do Brasil. Em poucos meses vão construir essa pista de Fórmula 1, de modo que, ano que vem, teremos corrida no Rio. O que não pode é a Fórmula 1 sair do Brasil”, disse Bolsonaro em transmissão ao vivo nesta quinta-feira.

O GP do Brasil foi disputado no Rio pela última vez em 1989, no autódromo de Jacarepaguá — que foi demolido para abrigar instalações da Olimpíada de 2016.

Segundo cálculos da prefeitura paulistana, o evento de 2018 movimentou 330 milhões de reais e gerou dez mil empregos diretos e indiretos. “Fomos pegos de surpresa com esse anúncio, já que as negociações corriam na normalidade”, completou Covas.

Covas e Doria evitaram, entretanto, rivalizar abertamente com Bolsonaro. O governador disse ter recebido mensagens ‘simpáticas’ do presidente, no qual teria dito que não tinha nada contra São Paulo e que ‘apenas quis ajudar’. “Não há nenhuma razão de afastamento, arranhão, ou que possa representar reprovação”, disse.

A reação de Covas foi menos moderada. Disse o prefeito: “Eu não apoiei o Bolsonaro, então sou um pouco mais isento na sua pergunta. Mesmo não tendo apoiado, não estou em nenhuma cruzada contra o presidente. Estou defendendo os interesses da cidade São Paulo. Pelo que eu li, o presidente foi levado a erro. A fala dele foi ‘o grande prêmio sairia do Brasil, então vamos levá-lo ao Rio de Janeiro”.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editora-executiva do site de CartaCapital

Compartilhar postagem