Política

Doria e Bolsonaro têm a rejeição mais alta, mostra CNT/MDA

De acordo com o levantamento, 68% dos eleitores não votariam de jeito nenhum no tucano. Em relação ao atual presidente, o índice é de 53,9%

Foto: Reprodução/Redes Sociais João Doria e Bolsonaro em tempos de paz. Foto: Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) são os pré-candidatos à Presidência mais rejeitados, de acordo com pesquisa CNT/MDA divulgada nesta terça-feira 10.

De acordo com o levantamento, 68% dos eleitores não votariam de jeito nenhum no tucano. Em relação a Bolsonaro, o índice vai a 53,9%. O ex-presidente Lula (PT), entre os nomes citados, tem uma rejeição de 44,1%.

Para os resultados, o instituto entrevistou 2.002 eleitores por telefone entre os dias 4 e 7 de maio. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.

A pesquisa também mostra que Lula é o pré-candidato que tem mais eleitores que votariam nele com certeza. Ao todo, dos entrevistados, 35% afirmaram que escolheram o petista e não mudarão. A taxa de Bolsonaro é de 28,2% e a de Doria de apenas 1,5%.

Como mostrou CartaCapital, na pesquisa de intenção de voto, Bolsonaro cresceu 4 pontos em relação ao levantamento anterior, feito presencialmente em fevereiro, mas Lula ainda lidera com pouco mais de 40%.

Na sequência, aparecem Ciro Gomes (PDT), com 7,1%, João Doria (PSDB), com 3,1%, André Janones (Avante), com 2,5%, e Simone Tebet (MDB), com 2,3%.

Veja a pesquisa completa:

fd7864c8-898d-49aa-863e-94721b7ee1d8

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo