Política

Desenrola para empresas deve ser lançado ainda neste trimestre e pode beneficiar 7 milhões de MEIs

Versão do Desenrola para as empresas deve contemplar ainda dívidas do Pronampe

Ministro do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, Márcio França. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A versão para empresas do Desenrola, o programa de refinanciamento de dívidas do Governo Federal, deve sair ainda neste trimestre, garantiu nesta quarta-feira 17 o recém-empossado ministro do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, Márcio França.

Os microempreendedores individuais (MEIs) também serão incluídos na medida, que espera atingir 7 milhões de MEIs com dívidas com o governo.

De acordo com Márcio França, a versão do Desenrola para as empresas deve contemplar ainda dívidas do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe).

“O Haddad está muito otimista com relação aos números, e a gente acha que neste primeiro trimestre já tem condição de fazer alguma coisa”, destacou França nesta quarta.

O ministro ainda não descartou que o programa seja implementado em fases, como ocorreu com a versão para pessoas físicas do Desenrola, que começou em julho do ano passado e terminará em 31 de março.

Esse é o primeiro avanço do programa desde que a ideia foi apresentada pelo vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e serviços, Geraldo Alckmin, em novembro do ano passado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo