Política

Deputada aciona Justiça contra uso do Theatro Municipal de São Paulo para homenagem a Michelle Bolsonaro

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) e a ativista Amanda Paschoal questionam os custos que a prefeitura deve arcar para realizar a cerimônia, que normalmente acontece na Câmara

Apoie Siga-nos no

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) e a ativista Amanda Paschoal ingressaram com uma ação popular na Justiça para impedir que uma cerimônia de homenagem a Michelle Bolsonaro seja realizada no Theatro Municipal de São Paulo. 

Um dos motivos alegados na peça é que a honraria de cidadã paulistana que será concedida pela Prefeitura à Michelle, normalmente é entregue na própria Câmara Municipal em uma cerimônia. 

A justificativa dada pelo vereador Rinaldi Digilio (União Brasil), autor da solicitação, e o presidente da Câmara, Milton Leite (União Brasil), é que o espaço legislativo não comportaria o número de convidados. Já o Theatro Municipal tem capacidade para 1.523 pessoas.

O pedido foi aceito pela gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB), e o espaço foi cedido para a realização do evento previsto para o próximo dia 25. Diferente das sessões, que são abertas ao público, o evento deve acontecer apenas para os convidados. 

Em razão disso, a parlamentar sustenta que há desvio de finalidade, uma vez que a cessão do Theatro é concedida para eventos de formação cultural e natureza artística.

“O evento proposto tem características visivelmente políticas e eleitorais, cujo objetivo é a promoção pessoal de uma figura, no caso Michelle Bolsonaro, que não possui qualquer vínculo com a administração pública, e a campanha antecipada, em equipamento público, da pré-candidatura à reeleição do atual prefeito, Ricardo Nunes”, diz trecho da ação, ao qual CartaCapital teve acesso.

O PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, já garantiu que deve apoiar o prefeito na reeleição ao cargo. Michelle Bolsonaro, por sua vez, deve se candidatar ao Senado em 2026. 

Outra justificativa mencionada na ação são os custos aos cofres públicos de São Paulo para a realização do evento privativo. A estimativa feita com base diária pela cessão da Sala de Espetáculos Theatro Municipal é que o evento pode custar pelo menos 100 mil reais aos cofres públicos. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo