Política

Decisão sobre CPI contra o Padre Júlio Lancellotti fica para depois do Carnaval

O adiamento foi decidido no colégio de líderes nesta terça-feira 6

Foto: Julia Prado/MS
Apoie Siga-nos no

A Câmara Municipal de São Paulo decidiu nesta terça-feira 6 adiar a análise sobre a instalação da chamada CPI das ONGs. 

A comissão, proposta pelo vereador Rubinho Nunes (União), mira a atuação do Padre Júlio Lancellotti e de organizações que prestam apoio humanitário a pessoas em situação de rua e a dependentes químicos da região da Cracolândia, no centro da capital paulista.

Nunes já conseguiu as assinaturas necessárias para a criação do colegiado, mas o requerimento ainda tem de passar por votação.

A decisão de analisar a instalação da CPI somente após o Carnaval foi tomada pelo colégio de líderes.

“Temos 45 novos pedidos de CPIs, e o Rubinho vem pleiteando a dele. Não quero atropelar os fatos”, disse Milton Leite (União Brasil), presidente da Câmara Municipal. “Entendo que algumas [denúncias] são gravíssimas, tanto que tomei providências e mandei para o MP [Ministério Público], para a Arquidiocese. Não vou seguraar nada, sob pena de prevaricação.”

A Arquidiocese de São Paulo informou na segunda-feira 5 ter aberto uma nova investigação sobre denúncias de abuso sexual. Lancellotti sempre negou as acusações.

“As acusações estão imbricadas em uma rede de desinformação, que mascara eventuais interesses de setores do poder político e econômico”, afirmou o pároco, em nota. Ele afirmou ter “plena fé de que as apurações conduzidas pela Arquidiocese esclarecerão a verdade dos fatos”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo