Política

A lista de vereadores de São Paulo que pedem a abertura da CPI das ONGS, com Padre Júlio na mira

Arquidiocese de São Paulo diz acompanhar o caso com ‘perplexidade’

Foto: Câmara Municipal de São Paulo
Apoie Siga-nos no

A Câmara Municipal de São Paulo pode instalar uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar organizações sociais e entidades que promovem auxílio a pessoas que vivem na região conhecida como Cracolândia, no centro da capital paulista.

Trata-se, na prática, de uma comissão contra o Padre Júlio Lancellotti, o movimento A Craco Resiste e o Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto. Em comunicado divulgado na quarta-feira 3, a Arquidiocese de São Paulo disse acompanhar “com perplexidade” a possível abertura da CPI.

A ideia da comissão não surgiu nesta semana. Motivado pela articulação de vereadores da direita e da centro-direita de São Paulo, o pedido de abertura da CPI ocorreu no início de dezembro. 

O requerimento foi protocolado pelo vereador Rubinho Nunes (União), ex-integrante do Movimento Brasil Livre e ex-advogado do ex-deputado estadual Arthur do Val, cassado em 2022 por quebra de decoro parlamentar.

Quem são os vereadores que pedem a abertura da CPI

O pedido de CPI protocolado na Câmara paulistana conta com 23 assinaturas. Uma delas, a de Xexéu Tripoli (PSDB), aparece duas vezes no requerimento. O vereador, inclusive, chegou a dizer que retirará seu apoio à abertura da comissão.

Além de Nunes e Tripoli, a lista conta com as assinaturas dos seguintes vereadores:

  • Adilson Amadeu (União Brasil)
  • Sandra Tadeu (União Brasil)
  • Thammy Miranda (PL)
  • Fernando Holiday (PL)
  • Isac Felix (PL)
  • Fábio Riva (PSDB)
  • João Jorge (PSDB)
  • Gilson Barreto (PSDB)
  • Beto do Social (PSDB)
  • Rute Costa (PSDB)
  • Bombeiro Major Palumbo (PP)
  • Sidney Cruz (Solidariedade)
  • Rodrigo Goulart (PSD)
  • Danilo do Posto de Saúde (Podemos)
  • Dr. Milton Ferreira (Podemos)
  • Jorge Wilson Filho (Republicanos)
  • Sansão Pereira (Republicanos)
  • Dr. Nunes Peixeiro (MDB)
  • Rodrigo Goulart (PSD)

Outras assinaturas, entretanto, não foram identificadas, segundo o portal G1. De acordo com a publicação, três assinaturas no documento não estão legíveis. 

Conforme revela a lista, o PSDB é o partido com a maior quantidade de assinaturas, seguido pelo PL e pelo União Brasil.

O vereador Thammy Miranda (PL) justificou, mais cedo, a presença do seu nome na lista. Em entrevista ao jornal O Globo, o parlamentar disse que o nome do padre Lancellotti não constava no requerimento.

“Em nenhum momento foi citado o nome do padre no requerimento, se tivesse jamais teria assinado porque defendo o trabalho dele. O padre está lá para ajudar as pessoas, nós estamos do mesmo lado. O que está acontecendo é uma grande fake news, o vereador (Rubinho Nunes) está fazendo campanha política em cima”, afirmou o vereador.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo