Política

CPMI do 8 de Janeiro quebra sigilos de Mauro Cid, Anderson Torres e militares do GSI

Outro alvo é o bolsonarista George Washington, condenado por planejar um ataque a bomba em Brasília

Mauro Cid na mesa diretora da CPMI. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

A CPMI do 8 de Janeiro, que investiga o quebra-quebra bolsonarista nas sedes dos Três Poderes, aprovou nesta quinta-feira 3 a quebra de sigilo de diversas pessoas, entre elas o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, e o ex-ministro da Justiça Anderson Torres.

Fardado, Cid depôs à CPMI em 11 de julho, mas recorreu ao direito ao silêncio mais de 40 vezes e não respondeu a perguntas de parlamentares.

Já Torres, que estava à frente da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal durante os atos golpistas, deve prestar esclarecimentos ao colegiado na próxima terça-feira 8. Ele teve os sigilos telefônico e de mensagens quebrados pela CPMI.

Durante a sessão, a CPMI ainda quebrou o sigilo de dois militares lotados no Gabinete de Segurança Institucional no dia da invasão bolsonarista:

  • o general Carlos Eduardo Feitosa Rodrigues, nomeado servidor do GSI no governo Bolsonaro;
  • e o coronel André Luiz Garcia Furtado, servidor do GSI que esteve no Palácio do Planalto no dia dos atos golpistas.

Outro alvo dos requerimentos de quebra de sigilo é o bolsonarista George Washington, condenado por planejar um ataque a bomba no Aeroporto de Brasília em 24 de dezembro de 2022 – ou seja, às vésperas da posse de Lula como presidente.

Os parlamentares também aprovaram acesso a Relatórios de Inteligência Financeira de empresários e companhias. Os documentos são produzidos pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf, quando o órgão identifica movimentações atípicas, que podem estar relacionadas a lavagem de dinheiro ou ocultação de bens.

Entre os documentos a serem solicitados pela CPMI estão aqueles relacionados a Silvinei Vasques, ex-diretor da Polícia Rodoviária Federal, e ao hacker Walter Delgatti Neto, que também foi convocado a depor na comissão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo