Política

CPMI do 8 de Janeiro marca depoimento de Braga Netto para a próxima terça

A oitiva acontecerá uma semana após o militar ter seu sigilo telefônico quebrado no âmbito de uma investigação da Polícia Federal

Negociatas. Braga Netto chefiou uma intervenção suspeita – Imagem: Marcelo Camargo/ABR
Apoie Siga-nos no

A CPMI do 8 de Janeiro, que investiga o ataque bolsonarista às sedes dos Três Poderes, agendou o depoimento do ex-ministro Walter Braga Netto para a próxima terça-feira 19.

A oitiva acontecerá uma semana após o militar ter seu sigilo telefônico quebrado no âmbito de uma investigação da Polícia Federal sobre supostos desvios na compra de coletes balísticos para a Intervenção Federal no Rio de Janeiro, em 2018.

O depoimento de Braga Netto foi requerido à CPMI pela relatora, Eliziane Gama (PSD-MA), pelo deputado Duarte Jr. e pela senadora Ana Paula Lobato, ambos do PSB do Maranhão.

De acordo com os parlamentares, o militar exerceu grande influência durante o governo de Jair Bolsonaro, no qual trabalhou como ministro da Casa Civil e da Defesa. Nas últimas eleições, ele foi candidato a vice-presidente na chapa do então presidente.

A comissão também deve ouvir na próxima semana Beroaldo José de Freitas Júnior, subtenente da Polícia Militar do Distrito Federal. Ele é um dos policiais agredidos pelos bolsonaristas no 8 de Janeiro.

Na reta final dos trabalhos, a CPMI corre para realizar as principais oitivas e apurar as pontas soltas até o fim da primeira quinzena de outubro. Entre os próximos passos está a possibilidade de uma acareação entre o tenente-coronel Mauro Cid e Bolsonaro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo