CPI da Covid: com acusações a Renan, Hang diz que está tranquilo sobre depoimento

O empresário, apoiador de Bolsonaro, é acusado pela cúpula do colegiado de pertencer ao 'gabinete paralelo'

Créditos: Leopoldo Silva/Agência Senado

Créditos: Leopoldo Silva/Agência Senado

Política

Momentos antes de iniciar depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, no Senado, o dono da Havan, empresário Luciano Hang, publicou um vídeo nas redes sociais em que faz analogia das acusações contra ele com supostos crimes de corrupção praticados pelo relator do colegiado, Renan Calheiros (MDB-AL). Hang diz estar tranquilo com sua ida à comissão, afirmando que “não tenho nada a temer” e que apenas expressou suas opiniões publicamente.

 

 

“Estou tranquilo, sem habeas corpus, preparado para responder qualquer questão, pois tenho a verdade ao meu lado”, afirmou em vídeo.

 

Apoiador do presidente Jair Bolsonaro, Hang é acusado pela cúpula do colegiado de pertencer ao “gabinete paralelo”, um grupo de apoiadores do presidente que aconselhava o chefe do Executivo no sentido de adotar o “tratamento precoce”, o uso de medicamentos sem a eficácia comprovada, como política para lidar com a pandemia da covid-19 no País.

Na publicação, Hang rebate acusações de negacionismo, espalhar fake news e participar do “gabinete paralelo”. Ao mirar em Calheiros, Hang diz que a narrativa que tenta incluí-lo já fez parte da vida de muitos brasileiros, inclusive do relator.

Segundo o empresário, “o negacionismo é uma expressão que pode ser encarada sob diversos argumentos”. Ao trazer exemplos de Calheiros, apontado pela Polícia Federal como suspeito pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Hang diz que o senador também adota uma postura “negacionista” ao rebater as acusações como estratégia de defesa nos processos. “Ele passou quase toda sua vida toda negando as acusações de peculato, corrupção, recebimento de propina, associação criminosa e lavagem de dinheiro”, destaca.

Já em 2007, o senador, que ocupava o cargo de presidente do Senado, foi acusado pela revista Veja de ter utilizado servidor da Casa para práticas inescrupulosas, imorais e ilegais de espionagem. No entanto, nunca se provou que a ordem de espionagem tenha sido dada por Renan. “Seria esse um gabinete paralelo da espionagem?”, questionou o empresário.

Hang nega que esteja acusando o senador, mas apenas “relatando fatos documentados em meios oficiais”. O dono da Havan afirma que seu objetivo é mostrar que os parlamentares não devem tirar conclusões antecipadas, “correndo o risco de destruir reputações injustamente”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem