Política

Com banqueiros, ex-ministros e empresários, carta em defesa das urnas passa das 100 mil assinaturas

O manifesto ganha tração dias depois de Jair Bolsonaro reunir embaixadores em Brasília para repetir fake news sobre o sistema eleitoral

Jair Bolsonaro na Cúpula das Américas 2022, em Los Angeles. Foto: Jim WATSON/AFP
Apoie Siga-nos no

Uma carta em defesa da democracia e do sistema eleitoral construída na Faculdade de Direito da USP passou, nesta quarta-feira 27, dos 100 mil signatários.

O texto e a lista inicial de assinaturas foram divulgados na terça-feira 26. Clique aqui para ler toda a relação. Entre os signatários há banqueiros, empresários, artistas, advogados e membros do Ministério Público. O Grupo Prerrogativas, composto por advogados e juristas, é um dos organizadores do manifesto.

Ex-ministros do Supremo Tribunal Federal também assinaram a carta, casos de Carlos Ayres Britto, Carlos Velloso, Celso de Mello, Cezar Peluso, Ellen Gracie, Eros Grau, Marco Aurélio Mello, Nelson Jobim, Sepúlveda Pertence, Sydney Sanches e Joaquim Barbosa.

Na terça 26, Celso de Mello enviou uma carta ao ex-procurador-geral de Justiça de São Paulo Luiz Antonio Guimarães Marrey e fez fortes críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL).

O ex-magistrado afirmou ser importante reagir “às sórdidas manobras golpistas, às sombrias conspirações autocráticas e às inaceitáveis tentações pretorianas de submeter o nosso País a um novo e ominoso período de supressão das liberdades constitucionais e de degradação e conspurcação do regime democrático”.

“Necessário, pois, reagir aos pronunciamentos de um político menor (e medíocre) que busca permanecer na regência do Estado, mesmo que esse propósito individual, para concretizar-se, seja transgressor do postulado da separação de poderes e revelador de uma irresponsável desconsideração das instituições democráticas de nosso País.”

Entre os empresários a endossarem o texto em defesa da democracia estão Walter Schalka, presidente da Suzano; Roberto Setúbal, ex-presidente do Banco Itaú; Natália Dias, CEO da Standard Bank; Pedro Moreira Salles, presidente do conselho de administração do Itaú Unibanco; Pérsio Arida, ex-presidente do BNDES e do Banco Central; e Tarcila Ursini, conselheira de administração da EB Capital.

A carta ganha tração dias depois de Jair Bolsonaro reunir embaixadores em Brasília para repetir fake news sobre as urnas eletrônicas e atacar a Justiça Eleitoral. O ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, estava presente.

Uma cerimônia para apresentação formal da carta está marcada para 11 de agosto, na sede da Faculdade de Direito da USP.

Leia a íntegra da carta:Banqueiros-e-empresários-assinam-carta-em-defesa-da-democracia (1)

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo