Política

Com apoio de Lula, Kalil vence Zema em Minas Gerais, diz pesquisa Quaest

Para o cientista político e diretor da Quaest, Felipe Nunes, o ‘fator Lula’ é a ‘única variável’ capaz de mudar os cenários no estado, que apontam para a reeleição de Zema

Imagens: Reprodução
Imagens: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O apoio do ex-presidente Lula (PT) será decisivo nas eleições de Minas Gerais, segundo a mais nova pesquisa da consultoria Quaest no estado. De acordo com o levantamento, divulgado nesta sexta-feira 18, sem a aliança com o petista, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), teria apenas 33% das intenções, ante 49% do atual governador Romeu Zema (Novo).

No entanto, quando aparece ao lado do ex-presidente, o resultado se inverte e dá a Kalil 49% da preferência do eleitorado, derrubando Zema, apoiado por Jair Bolsonaro (PL), para 35% das intenções de voto.

Pelas redes sociais, o cientista político e diretor da Quaest, Felipe Nunes, destacou o ‘fator Lula’ como a ‘única variável’ capaz de mudar os cenários de MG, que apontam para a reeleição de Zema.

“Kalil apoiado por Lula cresce 16 pontos. Zema apoiado por Bolsonaro cai 14 pontos”, destaca Nunes.

Os resultados confirmam o cenário já indicado por pesquisa interna do PT de Minas Gerais, que apontou para um crescimento significativo de Kalil quando apoiado por Lula. O prefeito de Belo Horizonte, em entrevista recente a CartaCapital, chegou a afirmar que ‘talvez Lula não precisasse do seu apoio, mas que, possivelmente, ele precisaria do apoio de Lula para vencer’. A leitura feita pelo político é agora confirmada em números.

Em outros cenários monitorados pela consultoria, sem levar em consideração o apoio de Lula ou Bolsonaro aos candidatos, Zema lidera. Ao todo, o atual governador reúne entre 34% e 42% da preferência do eleitorado a depender dos candidatos que integrariam a disputa. Kalil, por sua vez, varia entre 21% a 28% a depender do cenário. Confira os resultados:

A Quaest também mediu a preferência do eleitorado mineiro em um eventual segundo turno. De acordo com a pesquisa, Zema venceria qualquer candidato na disputa. Novamente, o monitoramento não leva em conta a indicação de apoio dos presidenciáveis aos candidatos.

Contra Kalil, Zema venceria por 49% a 33%. Já na disputa contra Viana, o governador somaria 57%, ante 18% do adversário. Em uma eventual disputa contra Medioli, Zema venceria por 59% a 14%.

Para chegar aos resultados, a pesquisa foi realizada entre 11 e 16 de março e contou com 1.480 entrevistas presenciais com os eleitores mineiros. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.