Política

Ciro Gomes diz em podcast que Lula ‘planejou’ entregar o Brasil a Bolsonaro

Para o pedetista, o plano se deu no momento em que o ex-presidente escolheu Haddad em 2018

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Pré-candidato ao Planalto pelo PDT, o ex-ministro Ciro Gomes afirmou nesta quinta-feira, 7, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) planejou perder as eleições de 2018 para que pudesse voltar a ser candidato este ano sem dar explicações sobre as acusações de desvios de verbas públicas. Para Ciro, esse esquema se deu no momento em que Lula escolheu o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), que havia perdido recentemente a reeleição na capital paulista, para competir com o presidente Jair Bolsonaro (PL).

“O Lula, quando deixa de ser candidato porque não podia, chama quem para ser (candidato)? Eu que era o único que ganhava a eleição? Não. Ele chamou o (Fernando) Haddad. Quem é o Haddad? Ele tinha acabado de perder a eleição de reeleição em São Paulo há um ano atrás. Quando Lula colocou o Haddad em seu lugar 20 dias antes da eleição. Ou seja, o Lula planejou entregar o Brasil para o Bolsonaro para dar no que deu. Pra quê? Porque ele volta agora sem precisar explicar a roubalheira, sem explicar a crise econômica”, disse em entrevista ao Avesso Podcast.

Ciro ainda afirmou que a atitude de Lula em se lançar como candidato enquanto estava na cadeia mostrou um petista que “perdeu completamente o senso e a responsabilidade”. “(Lula) Se lança candidato de dentro da cadeia sem poder, mentindo e enganando o povo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo