Política

Chico Rodrigues amplia licença; filho deve assumir o mandato

Senador flagrado com dinheiro na cueca mudou o tempo de afastamento após ser pressionado por colegas

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR). Foto: Roque de Sá/Agência Senado
O senador Chico Rodrigues (DEM-RR). Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR),  flagrado pela PF com 33 mil reais na cueca,  retificou seu pedido de licença apresentado na manhã desta terça-feira 20 para o Senado e ampliou o período de afastamento da Casa para 121 dias. Inicialmente, seriam 90 dias.

 

Com isso, o filho do senador, Pedro Arthur, que é suplente, deve assumir o cargo.

O novo pedido aconteceu após Rodrigues ser informados de que, em uma reunião de líderes do Senado, foi acertado que eles só aceitariam o afastamento de 121 dias. A avaliação do grupo é que menos tempo que isso ainda traria desgastes para a Casa.

Rodrigues foi alvo de pedido de cassação do mandato no Conselho de Ética do Senado e de ordem de afastamento do mandato pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Roberto Barroso. O plenário da Corte julgará a decisão nesta quarta-feira 21.

A tendência era que o plenário do STF confirmasse o afastamento decidido por Barroso. O senador é suspeito de participar de um esquema de desvio de recursos destinados ao combate à Covid-19.

Rodrigues é próximo à família do presidente Jair Bolsonaro e era vice-líder do governo. Foi retirado da função depois de ser alvo da operação.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!