Política

Caso Queiroz: TJ mantém quebra de sigilo bancário de Flávio Bolsonaro

Essa é a terceira derrota do filho do presidente na tentativa de impedir a quebra de sigilo de seus dados

Apoie Siga-nos no

O pedido do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) para suspender a quebra de sigilo fiscal e bancário foi negado, nesta terça-feira 25, pelo desembargador Antônio Carlos Nascimento Amado, da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. É a terceira derrota do filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL) na tentativa de impedir a quebra de sigilo de seus dados.

A investigação diz respeito às suspeitas de movimentações atípicas nas contas de seu ex-assessor, Fabrício Queiroz, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. O caso foi aberto após divulgação de relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O documento também aponta suspeitas sobre as transações em depósitos e saques em dinheiro vivo.

Ainda há possibilidades de recurso da decisão ao plenário da 3ª Câmara. Os sigilos de seus dados foram quebrados em abril. Flávio Bolsonaro é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa, durante o período entre 2007 e 2018.

 

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada em maio deste ano, o senador chegou a defender que a investigação fosse anulada. Segundo ele, o MP estaria preparando uma manobra para dar “verniz de legalidade” à investigação, conseguindo na Justiça a quebra do seu sigilo bancário. O MP-RJ reagiu, em nota, acusando Bolsonaro de “direcionar esforços” para interromper as investigações.

O parlamentar segue em sua estratégia para se desviar das acusações. Há alguns dias, fez alterações em sua bancada de defesa. Considerado “bolsonarista raiz”, o criminalista Frederick Wassef entra com a expectativa de atuar não somente na esfera criminal, mas também em meios de comunicação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo