Política

Casado com Glenn Greenwald, David Miranda vai à PF registrar ameaças

Deputado do PSOL já recebe ataques desde que assumiu vaga do ex-parlamentar Jean Wyllys

O deputado federal David Miranda (PSOL-RJ) encaminhou para a Polícia Federal uma denúncia sobre as ameaças recebidas desde os vazamentos de conversas da Lava Jato noticiados no dia 9 de junho pelo portal The Intercept Brasil. O registro foi feito na terça-feira 11. Segundo a assessoria jurídica, a denúncia foi anexada a uma queixa-crime já relatada em março, sobre ataques sofridos quando substituiu o posto de Jean Wyllys.

O caso está na Corregedoria Regional da Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal. A assessoria do parlamentar informou que, para a defesa, entende-se o título penal como ameaça e crimes contra a honra. O deputado é casado com o jornalista americano Glenn Greenwald, responsável pelo site que divulgou mensagens privadas do ministro da Justiça, Sérgio Moro, quando era juiz na Operação Lava Jato, com os procuradores da força-tarefa.

Segundo o conteúdo do Intercept, Moro deu orientações ao procurador Deltan Dallagnol na acusação do processo do tríplex do Guarujá, que resultou na prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O ex-juiz chegou a zombar dos advogados do réu, chamando suas manifestações de “showzinho da defesa”. O ato é questionado por juristas, devido à falta de imparcialidade do então juiz ao conduzir o caso. Com as denúncias, abriu-se brechas para a anulação da operação.

Em entrevista à Agência Pública, Greenwald se pronunciou sobre as ameaças sobre ele e seu parceiro. “Eu e meu marido estivemos juntos no caso do Snowden e nós lutamos contra os governos mais poderosos do mundo e a CIA, NSA, Reino Unido… Estávamos sendo ameaçados o tempo todo. Então, nós já conhecemos essas questões muito bem”, disse.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!