Política

Câmara aprova regime de urgência para três projetos de lei

Um dos projetos mira criminalizar ações do MST; a medida é um contra-ataque de Lira ao governo federal

Deputados na sessão do Plenário de votação de regime de urgência para projetos em tramitação na Câmara. Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira 16 o regime de urgência para três projetos de lei.

Os projetos com urgência podem ser votados diretamente no Plenário, sem passar antes pelas comissões da Câmara.

O primeiro texto que recebeu aval dos deputados para tramitar no modelo mais ágil na Casa foi o PL 895 de 2023. O texto tem autoria do deputado bolsonarista Zucco (PL-RS). A intenção do parlamentar é estabelecer sanções administrativas e restrições aplicadas aos ocupantes e invasores de propriedades rurais e urbanas. O PL mira movimentos sociais como o MST e o MTST.

A medida estava parada, mas ganhou urgência com apoio de Arthur Lira (PP-AL). Presidente da Câmara, Lira tem vivido dias de tensão com o governo federal.

Na semana passada, após a votação da Câmara que manteve a ordem de prisão para o deputado Chiquinho Brazão, a guerra com a gestão Lula (PT) chegou ao ápice e Lira partiu para o ataque. Publicamente, o parlamentar chamou Alexandre Padilha, ministro das Relações Institucionais, de ‘incompetente’ e disse que ele é um ‘desafeto pessoal’.

Lula saiu em defesa do aliado e afirmou que, ‘só de teimosia’, vai manter o ministro no cargo por muito tempo. Em outra frente de resposta, o governo federal demitiu o primo de Lira de um cargo no Incra, em Alagoas.

O contra-ataque, então, veio com a permissão para o PL bolsonarista tramitar em regime de urgência. Conforme apurou CartaCapital, Lira ainda quer pautar outros textos da oposição ao governo federal como parte da sua resposta. O deputado pretende, ainda, autorizar a abertura de CPIs contra a vontade da base governista.

O outro texto que terá regime de urgência na Câmara é o PL 1732 de 2022. A medida tem autoria da ex-deputada Soraya Manato e autoriza médicos residentes a parcelarem férias.

Por fim, a Câmara ainda aprovou a mudança de regime do PL 4364 de 2020, que veio do Senado. O texto institui uma política nacional de enfrentamento ao Alzheimer.

(Com informações de Agência Câmara)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo