Política

Brasileiros contrários ao aborto batem recorde e chegam a 61%

Pesquisa PoderData mostra que o percentual de brasileiros contrários à prática de interrupção de gravidez aumentou 3% desde janeiro de 2021

São Paulo (SP), 28/09/2023 - Ato pela legalização do aborto no dia latinoamericano e caribenho de luta pela descriminalização do aborto, na Avenida Paulista. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

Um levantamento do PoderData, divulgado neste sábado 3, revelou que o número de brasileiros contrários ao aborto aumentou 3% desde janeiro de 2021. Atualmente, 61% responderam ser contrários a interrupção da gravidez, um recorde na série histórica. 

Os eleitores favoráveis a descriminalização do procedimento são 24%. Em janeiro de 2021, 31% dos entrevistados aprovavam a permissão do aborto do Brasil. 

Conforme a legislação brasileira, o aborto só é autorizado no País em três situações específicas: se houver risco de morte para a mulher devido à gestação; se a gravidez foi fruto de um estupro; ou por anencefalia fetal.

Apesar de diversos projetos de lei no Congresso que pretendem proibir o procedimento sob qualquer circunstância, tramita no Supremo Tribunal Federal uma ação que discute a descriminalização do aborto. 

O julgamento da ação foi interrompido após o voto a favor da descriminalização proferido pela ministra aposentada Rosa Weber. 

A pesquisa foi realizada entre os dias 27 a 29 de janeiro de 2024, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 229 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo