Política

Braga Netto convocou e liderou reunião sobre mudança na bula da cloroquina, diz Barra Torres

Aos senadores na CPI da Covid, Antonio Barra Torres disse que sua reação à sugestão foi ‘deseducada ou deselegante’

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

Em depoimento à CPI da Covid no Senado nesta terça-feira 11, o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Antonio Barra Torres, revelou que o general Walter Braga Netto, então ministro da Casa Civil, foi o responsável por convocar e conduzir uma reunião, realizada no Palácio do Planalto em 2020, em que se debateu a edição de um decreto presidencial para mudar a bula da cloroquina.

O objetivo do governo federal era fazer com que o remédio fosse oficializado como parte do tratamento de pacientes com Covid-19. Não há qualquer comprovação sobre a eficácia da droga no enfrentamento à doença.

No início da sessão desta terça, Barra Torres já havia confirmado a realização da reunião, com a presença de Braga Netto, do então ministro da Saúde, Luiz Herique Mandetta, da médica pró-cloroquina Nise Yamaguchi e de um médico cujo nome não foi citado.

O presidente da Anvisa disse à CPI que sua reação à sugestão de alterar a bula da cloroquina foi “imediata” no sentido de que “aquilo não podia acontecer”. Ele não indicou o responsável pela ideia, mas apontou a ‘mobilização’ de Yamaguchi.

“Esse documento foi comentado pela doutora Nise Yamaguchi, o que provocou uma reação até um pouco deseducada ou deselegante minha”, relembrou. “Quando houve uma proposta de uma pessoa física de fazer isso, me causou uma reação mais brusca. A reunião não durou mais depois disso”.

Questionado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Barra Torres confirmou que o responsável por convocar o encontro foi Braga Netto, hoje chefe do Ministério da Defesa.

“O convite veio pela gestão do grupo, via Casa Civil. Naquela época, a Anvisa, pela Lei 3979, fazia parte do grupo interministerial. Então, chegou uma convocação para mim. Essa reunião foi mais para o final do dia e era para tratar de algum tema de combate à pandemia. Elas aconteciam com frequência, então, o convite veio dessa maneira que lhe falei”, disse o presidente da agência.

Na sequência, Vieira perguntou se “a condução da reunião foi feita também por Braga Netto”. Barra Torres emendou: “Exato, ele era na época o coordenador desse grupo. Foi por ele, sim, senhor”.

Barra Torres ainda explicou que mudanças nas bulas devem ser solicitadas à Anvisa pelos laboratórios responsáveis pelos medicamentos.

“A minha posição sobre o tratamento precoce da doença não contempla essa medicação, por exemplo. Não contempla. E contempla, sim, a testagem, o diagnóstico precoce e, obviamente, a observação de todos os sintomas que a pessoa pode ter e tratá-los, combatê-los o quanto antes”, disse também.

Leonardo Miazzo

Leonardo Miazzo
Editor do site de CartaCapital. Twitter: @leomiazzo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.