Política

Braga Netto anuncia os novos comandantes das Forças Armadas após crise provocada por Bolsonaro

Expectativa girava em torno do substituto de Edson Pujol no Exército; ele era visto como ’empecilho’ para avanço da politização nos quartéis

O ministro da Defesa, Walter Braga Netto. Foto: EBC
Apoie Siga-nos no

O novo ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, anunciou na tarde desta quarta-feira 31 os nomes dos novos comandantes das Forças Armadas, após comunicar a substituição de toda a cúpula na véspera.

A principal expectativa estava em torno do substituto de Edson Pujol no Exército, já que o general era considerado um ’empecilho’ para o avanço da politização nos quartéis desejado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Assumirá o lugar de Pujol o general Paulo Sergio Nogueira, chefe do Departamento-Geral de Pessoal do Exército e o terceiro na lista de antiguidade. O general Décio Luís Schons, o mais antigo da força, foi preterido. O governo também chegou a considerar a indicação de Marco Antônio Freire Gomes, chefe do Comando Militar do Nordeste.

Antes mesmo do anúncio oficial, o general José Luiz Freitas, comandante de Operações Terrestres, parabenizou Paulo Sérgio Nogueira pela indicação, via redes sociais.

Para a Marinha, foi escolhido o almirante de Esquadra Almir Garnier Santos. Já o tenente-brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Júnior é o novo comandante da Aeronáutica.

Braga Netto, por sua vez, assumiu o Ministério da Defesa após Bolsonaro demitir o general Fernando Azevedo e Silva na última segunda-feira 29, como parte de uma inesperada reforma ministerial. Segundo informação que circula entre generais da reserva, Azevedo e Silva não aceitou a interferência do presidente nas Forças Armadas.

Um dos militares que troca impressões com colegas fardados disse a CartaCapital que uma interferência do tipo significa uma “quebra da organização constitucional do Estado” e “é inadmissível”.

Braga Netto, substituto de Azevedo e Silva, comandava desde fevereiro do ano passado a Casa Civil. Em 2018, liderou a intervenção federal do governo de Michel Temer na segurança do Rio de Janeiro.

Ele está nos quadros do Exército desde 1975 e trabalhou durante a maior parte de sua carreira no Rio. Ao assumir a Casa Civil no ano passado, substituiu Onyx Lorenzoni.

Um dia depois da demissão de Azevedo e Silva, foram retirados do comando das Forças Armadas Edson Leal Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antônio Carlos Bermudez (Aeronáutica).

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo