Política

Bolsonaro usa distribuição de alimentos em Araraquara para atacar lockdown e prefeito do PT

No dia em que o País chegou a 400 mil mortes por Covid-19, o presidente voltou a atacar o isolamento social

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro usou uma ação de distribuição de alimentos realizada pela Ceagesp em Araraquara, no interior de São Paulo, para voltar ao ataque contra as medidas de distanciamento social e mirar diretamente no prefeito Edinho Silva (PT).

A prefeitura de Araraquara, como mostrou CartaCapital, adotou um lockdown em fevereiro, a fim de frear a dramática disseminação da Covid-19 e aliviar os índices de ocupação de leitos hospitalares. A medida surtiu efeito e levou a uma acentuada queda nos registros de casos e mortes pela doença.

Nesta quinta, Bolsonaro foi às redes sociais para compartilhar um vídeo que registrava o comboio que levaria cerca de duzentas toneladas de alimentos a Araraquara.

“Nesse momento, comboio parte da Ceagesp rumo a Araraquara/SP, levando alimentos para aqueles vitimados pela política do ‘fique em casa que a economia a gente vê depois’”, escreveu o presidente na legenda.

Segundo o G1, o presidente da Ceagesp, coronel Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, estima que foram atendidas 20 mil pessoas e 40 entidades, com itens da cesta básica.

Há cinco dias, Mello Araújo publicou nas redes sociais uma mensagem em que se mostra alinhado ao discurso bolsonarista. “Peço a todos que puderem ajudem ao próximo vamos para Araraquara essa semana, povo ficou fechado, PREFEITO acabou com sua cidade, vamos levar um pouco de esperança para mais de 20 entidades e para muitos que estão em situação crítica”, escreveu o coronel.

Em entrevista concedida a CartaCapital em março, o prefeito Edinho Silva explicou que a decisão de impor um lockdown foi uma medida extrema, ante a falta de opções.

“Se tivéssemos vacinação em massa no Brasil e um cronograma acelerado de vacinação, certamente teríamos outro cenário. Mas, se você não tem vacinação em massa, a única forma para conter o crescimento de uma doença contagiosa e que vai te pressionar por leitos hospitalares e aumentar os seus óbitos é o distanciamento social. Se você não tem vacina, tem que fazer distanciamento social”, afirmou o petista. “Isso não sou eu quem diz, mas todos os cientistas, pesquisadores, aqueles que estão no dia a dia pesquisando e trabalhando com a doença”.

Leonardo Miazzo

Leonardo Miazzo
Editor do site de CartaCapital. Twitter: @leomiazzo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.