Política

Bolsonaro sobre militar com cocaína: “Meu grande lamento é que não foi na Indonésia”

De volta ao Brasil, presidente relembrou caso de brasileiro fuzilado na Indonésia por tráfico de drogas

Jair Bolsonaro
Apoie Siga-nos no

De volta ao Brasil neste domingo 30, o presidente Jair Bolsonaro afirmou lamentar a situação do militar da comitiva que foi preso com 39 kg de cocaína em um avião das Forças Armadas na Espanha, e o fato dela não não acontecido na Indonésia – uma alusão ao brasileiro condenado à morte em 2015 no país asiático por tráfico de drogas.

“Jogou fora a vida dele, jogou na lama o nome de instituições, prejudicou o Brasil também um pouco. Acontece em qualquer lugar no mundo, em qualquer instituição”, afirmou Bolsonaro. Em seguida, citou o caso de Marco Archer.

“Lamento todo o ocorrido. Meu grande lamento é que não foi na Indonésia, aí seria mais um exemplo, não basta o Archer no passado. Segue a vida”, cravou o presidente em conversa rápida com jornalistas.

Na terça-feira 25, durante uma escala do avião da Força Aérea Brasileira no aeroporto de Sevilha, o militar foi pego com 39 kg da droga divididos em 37 pacotes, segundo a polícia de Sevilha. Ele foi preso e acusado de cometer crime contra a saúde pública, no qual se encaixa o tráfico de drogas segundo a lei espanhola.

O militar estava em um avião que precedia ao do presidente brasileiro, que decolou na terça-feira à noite para Osaka, no Japão, para participar da reunião do G20.

Jair Bolsonaro já tinha dito feito a menção ao caso Archer em uma coletiva em Osaka quando fora questionado se estava acompanhando as investigações.

No Brasil, definiu o encontro com as 20 nações mais ricas como uma “missão cumprida”, e citou, também, o acordo comercial do Mercosul e União Europeia aprovado em Bruxelas na sexta-feira 28.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo