Política

Bolsonaro recua e revoga decreto das armas

Rejeitado no Senado, projeto do governo tinha o mesmo destino traçado na Câmara dos Deputados

Foto: Marcos Corrêa/PR
Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro recuou e decidiu revogar o decreto que flexibilizava o porte de armas. A revogação foi publicada no Diário Oficial da união em edição extraordinária na tarde desta terça-feira 25.

A decisão contradiz declaração do porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, desta manhã, de que o presidente Jair Bolsonaro não revogaria o decreto que muda regras para aquisição, cadastro, registro, posse, porte e comercialização de munições e armas de fogo no País.

“O governo não revogará, não colocará nenhum empecilho para que a votação ocorra no Congresso”, disse o porta-voz sobre a matéria em tramitação na Câmara.

 

Fragilizado após a derrota no Senado na terça-feira 18, quando o plenário aprovou a revogação do decreto presidencial, o governo estava em negociação com a Câmara dos Deputados para evitar mais um revés na principal aposta de campanha de Bolsonaro.

O projeto de decreto seria votado ainda esta semana pelos deputados. Segundo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), os parlamentares seguiriam a decisão do Senado, rejeitando os decretos.

Por 47 votos a 28, os senadores aprovaram um Projeto de Decreto Legislativo, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e de outros senadores, que susta os efeitos da flexibilização. A maioria dos senadores argumentou que a alteração das regras para o acesso às armas por meio de decreto era inconstitucional e deveria ser feita por projeto de lei.

A expectativa era de que o governo revogasse a medida anterior e editasse novo decreto para colecionadores e novo projeto de lei para as outras alterações.

Além de revogar o decreto, o governo publicou na mesma edição extra do Diário Oficial três novos decretos que tratam do assunto. Também foi enviado um projeto de lei do governo que modifica o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/2003).

Os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Jorge Oliveira (Secretaria Geral) foram pessoalmente ao Congresso Nacional entregar o novo projeto de lei e anunciar a revogação do decreto e edição de novas regras.

Com informações da Agência Brasil

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!