Política

Bolsonaro: “Reconheço as minhas limitações, que não são poucas”

O presidente culpou a classe política pela desarticulação. ‘Fiquei 28 anos lá dentro, pessoal diz que ‘sem fazer nada. Graças a Deus’

Fernando Frazão/Agência Brasil Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Em encontro com o setor empresarial do Rio de Janeiro para receber a Medalha do Mérito Industrial, Jair Bolsonaro fez um apelo aos empreendedores e culpou a classe política pelos problemas do Brasil – a mesma que ele faz parte há quase 30 anos. “Fiquei 28 anos lá dentro, pessoal diz que ‘sem fazer nada’. Graças a Deus. Se tivesse feito, estava preso uma hora dessas”.

O evento, promovido pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, contou também com a presença do governador do Rio, Wilson Witzel, e do prefeito, Marcelo Crivella, e teve momentos de descontração do presidente com as investigações envolvendo o próprio nome, como as das assessoras laranjas ligadas diretamente a Bolsonaro – caso investigado pelo Ministério Público.

Apesar de estabelecer um clima de diálogo com os empresários, o apelo ainda não surtiu efeitos no mercado, que se desestabiliza a cada polêmica promovida pelo governo. Nesta segunda-feira 20, a Confederação Nacional das Indústrias (CNI) divulgou que o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu pela quarta vez consecutiva e acumulou recuo de 80,2 pontos desde fevereiro.

Mesmo assim, o presidente insistiu em culpabilizar o clima político e a imprensa, além de nomear as manifestações convocadas por ele e por membros do partido (PSL) como “movimento espontâneo previsto para o dia 26”.

Em meio a uma disputa dentro do próprio partido sobre a chamada da base bolsonarista aos atos, cravou: “Reconheço as minhas limitações, que não são poucas”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!