Política

Bolsonaro posta foto de Lula em enterro do neto para rebater Haddad

Em crítica a Bolsonaro, Haddad havia dito que nunca viu um presidente em ‘situação tão humilhante’

O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR
O presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Isac Nóbrega/PR
Apoie Siga-nos no

Para rebater uma publicação do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), o presidente Jair Bolsonaro publicou uma imagem em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aparece escoltado por policiais, durante o enterro de seu neto de 7 anos, Arthur Lula da Silva.

Na segunda-feira 6, Haddad havia escrito uma crítica a Bolsonaro, em sua conta no Twitter, em que disse que “nunca tinha visto um presidente se colocar em situação tão humilhante”. A publicação ocorreu momentos depois em que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que permanece no cargo, apesar dos rumores sobre sua demissão.

Nesta terça-feira 7, dia que marca dois anos após a data da prisão de Lula, em abril de 2018, Bolsonaro compartilhou a postagem de Haddad e anexou uma foto do ex-presidente entre agentes da polícia.

Na ocasião, Lula saía do velório de Arthur, vítima de meningite em março de 2019. A cerimônia ocorreu no cemitério Jardim da Colina, na cidade de São Bernardo do Campo (SP). O ex-presidente já estava preso em Curitiba, mas foi autorizado pela Justiça a comparecer no ABC paulista, com base em artigo da Lei de Execução Penal que prevê o direito de detentos a participar de velórios e enterros de parentes próximos.

No instante em que aparece na imagem, Lula era conduzido até o carro da polícia para embarcar em direção ao aeroporto de Congonhas, de onde retornaria à carceragem da Superintendência da Polícia Federal no Paraná. O momento foi reportado em matéria da emissora estatal TV Brasil.

Em novembro de 2019, Lula foi solto porque sua condenação por corrupção e lavagem de dinheiro havia sido sentenciada apenas na 2ª instância, e o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou o entendimento que permitia a realização de prisões que não respeitem o direito do réu a esgotar todos os recursos possíveis antes de perder a liberdade.

Em revide a Bolsonaro, Haddad escreveu que “sua resposta tem o seu tamanho” e chamou o presidente da República de “vergonha”.

“Bolsonaro, sua resposta tem o seu tamanho. Você é minúsculo, como todos haverão de constatar. Seu ministro da Justiça até tentou, mas o cidadão parisiense da foto, doutor honoris causa por dezenas de universidades, jamais se dobrou, mesmo diante da injustiça. Você é só vergonha”, publicou o petista.

Victor Ohana

Victor Ohana Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.