Política

Bolsonaro: “Inventaram o gabinete do ódio e alguns idiotas acreditaram”

Presidente rebateu declarações da deputada Joice Hasselmann à CPI das Fakenews. Ela afirma existir um núcleo dedicado a difamar inimigos

(Foto: Alan Santos/PR)
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro atacou a CPI das Fake News, em resposta às declarações da deputada federal Joice Hasselmann que presta depoimento à Comissão nesta quarta-feira 4. “Inventaram o gabinete do ódio e alguns idiotas acreditaram”, declarou. Durante o seu depoimento, a deputada falou sobre a existência de um núcleo central nomeado de “Gabinete do Ódio” que, como indica o nome, esforça-se em apontar nomes para a produção de montagens, memes, difamação e “destruição de reputação”.

Em sua apresentação à comissão, Hasselmann associou a estratégia de divulgação das redes bolsonaristas a assessores parlamentares de deputados estaduais e federais. Ainda afirmou que há mais de 491.300 reais anuais “destinados a perseguir desafetos”.

 

A apresentação levada por Hasselmann continha prints – que, segundo ela, são autenticados por um perito digital -, áudios, vídeos de ameaças a figuras inimigas do bolsonarismo, como o ministro Gilmar Mendes, e a identificação do local de trabalho de assessores que, em horários comerciais, ocupam-se de propagar as montagens.

O deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) foi um dos apontados como um dos principais ‘contratadores’ dos serviços de assessores que produzem peças rapidamente virais. Questionada sobre a origem dos disparos feitos pelos robôs nas redes sociais, Hasselmann disse que desconhecia a origem mas recomendou que se “seguisse o dinheiro”.

A parlamentar ainda apresentou uma análise sobre os perfis de Jair e Eduardo Bolsonaro no Twitter. Segundo a análise, dos 5,4 milhões de seguidores do presidente, 1,4 milhão são robôs. Já o deputado federal é seguido por 468 mil robôs, em um universo de 1,7 milhão de seguidores.

Acompanhe a CPI das Fake News:

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo