Bolsonaro diz ter convidado Macron para explorar a Amazônia com o Brasil

Bolsonaro afirmou também que não se submeteria a 'caprichos' dos líderes europeus em relação a cobranças ambientalistas

Foto: Alan Santos/PR

Foto: Alan Santos/PR

Política

Em entrevista concedida à Rádio Joven Pan na noite desta sexta-feira 28, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que conversou com o presidente francês Emmanuel Macron e convidou-o para explorar a Amazônia juntamente com o Brasil.

“‘Olha, de Boa Vista a Manaus são mais ou menos duas horas de voo, tu olha pra baixo e não vê nada de degradado no tocante ao meio ambiente. […] Nem quero comparar com a Europa, que não tem mais nada. […] Enquanto eu for presidente, a Amazônia é nossa. Nós pretendemos explorar de forma racional. Convido-o a explorar a Amazônia conosco”, relatou o presidente à entrevista, adicionando que também mencionou o assunto à Angela Merkel, primeira-ministra alemã.

“Os outros presidentes voltavam para o Brasil demarcando 10, 20, 30 reservas indígenas. Um estrago ao meu entender, nesta que eu chamo de neurose ambientalista”, acrescentou Bolsonaro após dizer que o encontro com Merkel foi saudável.

A fala de Bolsonaro veio após cobranças de Merkel e de Macron sobre a preservação ambiental e participação em acordos climáticos internacionais assinados pelo Brasil. Bolsonaro ainda disse que os líderes estavam defendendo interesses dos próprios países e que não se submeteria ao ‘capricho’ deles.

Na entrevista, Bolsonaro também acrescentou sobre as negociações para o acordo entre Mercosul e União Europeia, selado em Bruxelas na sexta 29. Sobre a permanência no Acordo de Paris, posição cobrada pela França, o presidente brasileiro afirmou que a cláusula foi retirada do texto final, apesar de ter afirmado a Macron que permaneceria no pacto climático. “O Brasil é um país que merece respeito, e as coisas começaram a mudar”, disse.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem