Bolsonaro diz que não pode aceitar passivamente as prisões de aliados

'Um ministro do Supremo Tribunal Federal mandar prender, isso não é justo', destacou o presidente em referência a Alexandre de Moraes

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

O presidente Jair Bolsonaro  confirmou nesta segunda-feira 23 que participará dos atos do dia 7 de setembro, em que são apontadas possíveis ações de ruptura democrática. O mandatário afirmou que estará em Brasília e em São Paulo e garantiu que as manifestações não terão tons ameaçadores.

Em entrevista à rádio Nova Regional, de São Paulo, Bolsonaro disse ainda que tomou ações, como o pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes,  do Supremo Tribunal Federal, por considerar que o magistrado tomou decisões exageradas e que vão contra o artigo 5º da Constituição Federal.

“Um ministro do Supremo Tribunal Federal mandar prender, isso não é justo. A crítica, por pior que seja, você tem que tolerar. A liberdade de expressão é ampla e garantida a todos nós”, destacou Bolsonaro, que criticou ainda as decisões que decretaram as prisões do presidente do PTB Roberto Jefferson, do deputado federal Daniel Silveira e de blogueiros que o apoiam.

“Foi preso há pouco tempo um deputado federal e continua preso até hoje, em prisão domiciliar. A mesma coisa um jornalista, ele é jornalista, é blogueiro, também continua em prisão domiciliar até hoje. Temos agora um presidente de partido. A gente não pode aceitar passivamente isso, dizendo: ‘ah, não é comigo’. Vai bater na tua porta”, acrescentou.

Na conversa, o presidente destacou também a indicação de André Mendonça ao STF e disse que a oposição dos parlamentares ao nome é política e não técnica. Ao jornalista, Bolsonaro relembrou o compromisso que o provável ministro firmou com ele de iniciar sessões da Corte com uma oração.

“Caso ele seja aprovado pelo Senado, ele começa a sessão com uma oração. Acredito que Deus sempre é bem vindo em qualquer lugar. E no Supremo Tribunal Federal, com toda certeza, Deus vai fazer muito bem aquela Corte”, disse.

 

Fake news sobre vacina

Bolsonaro voltou a mentir sobre a Coronavac ao insinuar que a vacina não imuniza contra o coronavírus. O mandatário também afirmou que em breve pretende acabar com a obrigatoriedade do uso de máscaras, medida que vai contra as recomendações científicas para enfrentar a Covid-19. As declarações foram dadas em entrevista

“O Brasil nesse quesito [vacinação] está muito bem. Obviamente, a gente pede a Deus e torce pela efetividade da vacina, se bem que algumas vacinas não tão dando certo. Tem uma chinesa aí, que gente tomou a segunda dose, mas tá se infectando, tá morrendo e não é pouca gente”, afirmou Bolsonaro. “A gente espera que a Anvisa dê uma resposta pra isso ou o próprio Butantan dê uma resposta pra isso, que a população tem direito de saber da real efetividade da vacina que tá tomando”, completou.

Ao contestar a eficácia, Bolsonaro não diz a verdade. O tema já foi esclarecido por especialistas, que demonstraram que nenhum imunizante é totalmente eficaz contra infecções, mas que combatem as manifestações clínicas, sobretudo as mais graves. Mesmo com a imunização completa é possível que pessoas adoeçam e morram, principalmente os mais idosos. Por isso, especialistas ressaltam a importância de se manter cuidados como o uso de máscaras e o distanciamento social mesmo após a vacinação, como mostrou reportagem recente de CartaCapital.

Também na contramão das recomendações, Bolsonaro ainda garantiu que em breve pretende retirar a obrigatoriedade do uso de máscaras no Brasil. Segundo informou, irá se reunir ainda nesta segunda-feira 23 com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para definir a data em que tornará facultativo o uso do equipamento.

“Eu pedi um estudo para nosso Ministério da Saúde e hoje vou me reunir com o ministro Queiroga para nós darmos uma solução para esse caso. A ideia é o seguinte: pela quantidade de vacinados, pelo número de pessoas que já contraíram o vírus…quem contraiu o vírus obviamente está imunizado também, como é o meu caso…nós tornarmos facultativo, orientarmos, que o uso da máscara não precisa mais ser obrigatório. Essa é a nossa ideia que talvez tenha uma data a partir de hoje para essa recomendação do Ministério da Saúde”, explicou novamente propagando desinformação, já que ainda não está claro para a ciência de que infectados sejam imunes ao vírus.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem