Política

Bolsonaro deve ficar nos EUA até meados de março

Governo federal autorizou a permanência de 3 seguranças que acompanham a comitiva do ex-presidente

O ex-presidente Jair Bolsonaro, nos Estados Unidos. Foto: CHANDAN KHANNA/AFP
Apoie Siga-nos no

A Secretaria Executiva da Casa Civil da Presidência da República autorizou o afastamento de três funcionários para acompanhar o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) nos Estados Unidos até o dia 15 de março.

A data de retorno do ex-capitão ao Brasil ainda é incerta, mas não deve acontecer antes do meio do próximo mês. Bolsonaro viajou aos EUA quando ainda ocupava o cargo de presidente para não acompanhar a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A autorização dada pela Secretaria especifica o acompanhamento do ex-capitão em duas cidades, Orlando, na Florida, e em Washington, capital dos EUA.

Os ex-presidentes brasileiros têm direito a utilizar os serviços de 8 funcionários pagos com verbas federais. Destes, 4 servidores são designados para a segurança do ex-presidente, 2 motoristas e 2 assessores.

Na semana passada, o próprio ex-presidente afirmou que deverá voltar ao País em março, em uma entrevista concedida ao jornal norte-americano Wall Street Journal.

No retorno, Bolsonaro deverá se defender as acusações de incentivo aos atos antidemocráticos que causaram depredação nas sedes dos Três Poderes, em Brasília, bem como outros pedidos de investigação contra o ex-presidente que deverão voltar a tramitar com o fim do mandato.

Leia o despacho:

despacho-bolsonaro-eua-24.fev_

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo