Política

Bolsonaro compara Covid-19 com HIV: ‘Era voltado a uma classe com comportamentos sexuais diferenciados’

Especialista aponta equívocos na fala do presidente

Bolsonaro compara Covid-19 com HIV:
Bolsonaro compara Covid-19 com HIV: "Era voltado a uma classe com comportamentos sexuais diferenciados". Foto: Reprodução/Youtube

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso do chamado ‘tratamento precoce‘ contra a Covid-19, que utiliza medicamentos sem a eficácia comprada para a doença. Desta vez, o ex-capitão fez uma comparação com o vírus do HIV.

Em discurso na cidade de Chapecó, nesta quarta-feira 7, o presidente disse que nos anos 80 foi utilizado tratamento precoce contra o HIV e que o vírus ‘era mais voltado para uma classe específica que tinham comportamentos sexuais diferenciados’.

“Naquela época, o que foi usado para combater o HIV? O AZT, era comprovado cientificamente? Não. Se não tivesse usado, não chegaríamos no futuro ao coquetel. Que dá quase uma condição de vida normal aquele que contraiu o vírus.” justificou o presidente.

“Por que não se combateu também? Porque o HIV era mais voltado para uma classe específica, que tinham comportamentos sexuais diferenciados.  E também se contraria via injeção e compartilhamento de agulhas. E ninguém foi contra. E chegou-se ao bom termo no futuro. Até hoje não temos uma vacina para isso. A mesma coisa agora a questão do Covid-19. Porque essa campanha contra métodos e médicos e quem fala no tratamento imediato?”, questionou Bolsonaro a seus apoiadores.

Ao fim do discurso, Bolsonaro incentivou a população a não aceitar medidas de isolamento contra a Covid-19. “Não vamos aceitar fique em casa. Esse vírus veio para ficar e vai ficar a vida toda. É impossível erradicar. Até lá vamos fazer o que? O Brasil não pode parar”.

Especialista aponta equívoco 

A infectologista da Unicamp e Consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, Raquel Stucchi, analisa que a fala do presidente é equivocada.

“O Grande equívoco da fala do presidente é que em todo o tratamento da Aids, toda a evolução feita do tratamento, a descobertas de novas drogas e a incorporação desses medicamentos foram baseados em pesquisa científica, que comprovaram a eficácia dos tratamentos. A eficácia foi melhorando conforme novas drogas foram descobertas”, explica.

O mesmo, segundo Raquel, não se aplica à Covid-19.

“Na época, AZT tinha comprovação científica e era melhor que nada. Hoje nós temos um ano de pandemia da Covid-19 e os trabalhos científicos mostram que não existe nenhum tratamento precoce eficaz”, diz,

https://www.youtube.com/watch?v=IYkXIveEnnU

Chapecó

A cidade catarinense visitada por Bolsonaro é apontada por ele como “exemplo” no combate à covid-19. A viagem foi marcada de última hora, após o prefeito da cidade, João Rodrigues (PSD), celebrar, em um vídeo nas redes sociais, a queda de internações e a desativação de uma unidade de terapia semi-intensiva. Mesmo assim, a ocupação de leitos ainda é alta. De acordo com dados da própria prefeitura, atingiu 93% na rede pública e 100% na privada nesta terça-feira, 6.

O município acumula ainda mais mortes por 100 mil habitantes do que o País e Santa Catarina. A cidade enfrentou colapso de saúde em fevereiro, precisou transferir pacientes, adotar restrições de circulação e ampliar o número de leitos. Chapecó tem 541 mortos pela pandemia, sendo que mais de 410 foram registrados neste ano.

Bolsonaro disse na segunda-feira, 5, que Chapecó faz um “trabalho excepcional” contra a pandemia e deu “liberdade” a médicos para prescreverem o “tratamento precoce”, ou seja, medicamentos sem eficácia para a covid-19, como a hidroxicloroquina. “Não sei como salvar vidas, não sou médico, mas não posso tolher liberdade do médico”, afirmou o presidente no discurso desta quarta.

Desde o início da pandemia, Bolsonaro tem defendido a prescrição de medicamentos como hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina contra a doença. Centenas de estudos científicos realizados até agora nunca comprovaram a eficácia das drogas para combater a covid-19 e, em alguns casos, como da ivermectina mostraram que não há qualquer efeito positivo. O aumento no consumo desses remédios também tem causado reações em pacientes e, como revelou o Estadão, alguns morreram em decorrência de complicações.

Com informações da Agência Estado.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!