Política

Bolsonaro cancela assinaturas da Folha de S. Paulo no governo federal

Seguindo a mesma medida adotada por Donald Trump, Bolsonaro também ameaçou veementemente os anunciantes do jornal

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcos Corrêa/ PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro ordenou, nesta quinta-feira (31), o cancelamento de todas as assinaturas do jornal Folha de S.Paulo nos órgãos do governo federal e ameaçou veementemente seus anunciantes, em mais um capítulo de seu confronto com a imprensa.

“Determinei hoje que seja cancelada a assinatura da Folha aqui no âmbito do poder executivo. Quem quiser ler a Folha que passe lá na rodoviária de Brasília e compre”, disse Bolsonaro em sua live semanal nas redes sociais.

“Não vamos gastar mais num jornal como esse. E quem anuncia na Folha de São Paulo que preste atenção”, acrescentou.

A medida é idêntica a adotada pela Casa Branca, ao cancelar a assinatura dos jornais New York Times e Washington Post após o presidente Donald Trump, aliado de Bolsonaro, classificar ambos como divulgadores de “noticias falsas”.

Em um comunicado, a Folha de S. Paulo denunciou a “atitude abertamente discriminatória” de Bolsonaro e se comprometeu a seguir fazendo “um jornalismo crítico e apartidário” em relação a seu governo.

Bolsonaro mantém desde a campanha à presidência um confronto aberto com os principais veículos de comunicação do país, entre eles a TV Globo, o jornal Folha de S.Paulo e a revista Veja.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo