Economia

Bolsonarista apresenta projeto para dificultar chegada de Dilma ao Banco dos Brics

Segundo o texto de Rogério Marinho (PL-RN), a indicação só se concretizaria mediante a aprovação de no mínimo 41 senadores

Dilma cumprimenta Lula. Foto: Pedro França/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O senador Rogério Marinho (PL-RN), líder da Oposição na Casa Alta, protocolou um projeto de lei a fim de dificultar o trâmite de indicações do presidente da República para o comando de instituições financeiras bilaterais ou multilaterais.

Trata-se, na prática, de um texto que tenta dificultar a chegada de Dilma Rousseff (PT) à presidência do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, na sigla em inglês), conhecido como Banco dos Brics.

O presidente Lula (PT) viajará a Pequim, na China, na segunda quinzena de março e tem a expectativa de contar com Dilma na comitiva. Assessores do governo afirmam que a indicação da petista já tem o aval de membros do Brics.

Segundo o texto de Marinho, a nomeação só se concretizaria mediante a aprovação de no mínimo 41 senadores. Até aqui, cabe ao Conselho dos Governadores do banco definir os representantes.

Mesmo sem a aprovação do projeto de lei, a oficialização de Dilma no NDB depende de o diplomata Marcos Troyjo, atual presidente do banco, renunciar. Indicado ao cargo por Bolsonaro, ele tem um mandato válido até 2025.

Conforme a redação protocolada por Marinho, uma substituição no comando das instituições também teria de ser chancelada pelo Senado.

O NDB tem o objetivo de mobilizar recursos para investir em projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável em mercados emergentes. A estratégia do banco para o período entre 2022 e 2026 é intitulada Aumentar o Financiamento do Desenvolvimento para um Futuro Sustentável.

“Para cumprir nosso propósito, apoiamos projetos nos setores público e privado por meio de empréstimos, investimentos de capital e outros instrumentos sob medida”, diz o banco.

As áreas de operação do NDB se dividem em:

  • Energia Limpa e Eficiência Energética
  • Infraestrutura de transporte
  • Água e saneamento
  • Proteção do meio ambiente
  • Infraestrutura social
  • e Infraestrutura digital

O NDB foi fundado em 2014 com capital autorizado de 100 bilhões de dólares e capital inicial de 50 bilhões, com contribuições igualmente distribuídas entre os cinco membros fundadores.

A instituição está sediada em Xangai, na China, onde Dilma deve passar a morar se assumir a presidência. O primeiro escritório regional do NDB foi aberto em Joanesburgo, na África do Sul. Em 16 de fevereiro, Lula confirmou, em entrevista à CNN Brasil, o desejo de indicar a ex-presidenta.

“Se depender de mim, ela vai ser [presidenta do banco]. A Dilma é uma figura extraordinária. Se eu não tivesse sido presidente e tivesse sido ministro político da Dilma, não teria acontecido o que aconteceu. Acho que faltou um pouco de conversa, de paciência, mas ela é uma mulher extraordinária, digna de muito respeito, e o PT adora ela”, afirmou o presidente. “Ela é muito competente tecnicamente. Se for presidenta do Banco do Brics, será uma coisa maravilhosa para os Brics e para o Brasil.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo