Política

Atlas: Lula tem 6 pontos de vantagem sobre Bolsonaro na última semana do 2º turno

Chega a 1,8% o índice dos que estão indecisos, pretendem anular o voto ou sinalizam voto em branco

Lula e Jair Bolsonaro. Fotos: Douglas Magno/AFP e Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

Uma pesquisa Atlas Intel publicada nesta segunda-feira 24 mostra que Lula (PT) lidera a disputa em segundo turno contra Jair Bolsonaro (PL) por cerca de 6 pontos percentuais.

O petista tem 52% das intenções de voto, ante 46,2% do ex-capitão. Chega a 1,8% o índice dos que estão indecisos, pretendem anular o voto ou sinalizam voto em branco.

Nos votos válidos, a desconsiderar votos nulos e em branco e eleitores indecisos, Lula vai a 53%, enquanto Bolsonaro anota 47%. No primeiro turno, Lula marcou 48,3%, contra 43,2% de Bolsonaro.

O levantamento seguiu uma metodologia intitulada Atlas Random Digital Recruitment, ou RDR, segundo a qual os entrevistados são recrutados organicamente durante a navegação de rotina na web em territórios geolocalizados em qualquer dispositivo (smartphones, tablets, laptops ou PCs).

O instituto diz que, a fim de garantir a representatividade em nível nacional, as amostras são pós-estratificadas usando um algoritmo em um conjunto mínimo de variáveis de destino: sexo, faixa etária, nível educacional, nível de renda, região e comportamento eleitoral anterior.

O Atlas Intel entrevistou 4.500 pessoas de 1.404 municípios entre 18 e 22 de outubro. A margem de erro é de 1 ponto percentual, considerando um nível de confiança de 95%. O registro no Tribunal Superior Eleitoral é BR-06415/2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo