Justiça

Ataques golpistas redobraram minha disposição pró-democracia, diz Lula no STF

Episódios terroristas foram o tema mais citado pelo presidente no discurso aos ministros; papel do Judiciário também foi elogiado

Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) afirmou que os atos golpistas do dia 8 de janeiro – além de causarem profunda indignação – fizeram com que a sua disposição em defender a democracia brasileira fosse redobrada. A declaração foi feita em discurso aos ministros do Supremo Tribunal Federal na abertura do ano do poder judiciário, nesta quarta-feira 1º, em Brasília.

“Assim como qualquer pessoa que preza a Constituição e a democracia, me senti profundamente indignado ao visitar esta Casa […] logo na noite seguinte aos ataques terroristas. Sei que levarei essa indignação para o resto da minha vida”, disse Lula. “E sei que ela me fez redobrar a disposição de defender a democracia, conquistada a duras penas pelo povo brasileiro”.

A menção aos episódios também motivou Lula a elogiar, por diversas vezes, o papel do STF e da Justiça brasileira no enfrentamento aos golpistas. “A história há de registrar e reconhecer esta página heroica do Judiciário brasileiro”, disse o presidente em um dessas passagens.

Em outro trecho, reforçou a declaração: “Daqui desta sala, contra a qual se voltou o mais concentrado ódio dos agressores, partiram decisões corajosas e absolutamente necessárias para enfrentar e deter o retrocesso, o negacionismo e a violência política”.

“Esta Corte atuou e continua atuando para identificar e responsabilizar por seus crimes aqueles que atentaram, de maneira selvagem, contra a vontade das urnas”, acrescentou mais adiante.

Ainda sobre os atos terroristas, Lula disse acreditar que a depredação do dia 8 não tenha sido ‘espontânea’ e sim causada pelo clima de ódio fomentado por Jair Bolsonaro (PL).

“Não foi um episódio nascido por geração espontânea, mas cultivado em sucessivas investidas contra o direito e a Constituição, com o objetivo de sustentar um projeto autoritário de poder”, avaliou o petista.

Pouco antes, o discurso de Rosa Weber, presidente do STF, também relembrou os episódios e deu duros recados aos terroristas bolsonaristas que invadiram as sedes dos Três Poderes no dia 8 de janeiro.

‘Nosso inimigo é outro’

O discurso de Lula também marcou a disposição do novo governo em manter relações mais amistosas entre o Executivo e o Judiciário do que na antiga gestão, quando Bolsonaro xingou ministros e chegou a ameaçar não cumprir decisões tomadas pelo tribunal.

“Nossos reais inimigos são outros: a fome, a desigualdade, a falta de oportunidades, o extremismo e a violência política, a destruição ambiental e a crise climática. Tenho a certeza de que juntos vamos enfrentá-los. E de que juntos poderemos superá-los”, disse Lula, em referência aos constantes embates travados por Bolsonaro contra o STF.

Mais adiante, tornou a sinalizar em favor das boas relações entre os dois Poderes:

“O Poder Executivo estará à disposição do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça para o diálogo e a construção de uma agenda institucional que aprimore a garantia e a materialização de direitos neste país, pois onde houver um só cidadão injustiçado não haverá verdadeira Justiça”, destacou Lula antes de finalizar.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo