Política

As condições de Marina Silva para apoiar Lula nas eleições

Ex-ministra justificou sua ausência em encontro da Rede com o petista e garantiu que estaria aberta ao diálogo com Lula e Haddad em SP

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, em entrevista ao jornal O Globo deste domingo 1º, garantiu que ainda está aberta a dialogar com o ex-presidente Lula (PT) para integrar a aliança eleitoral de 2022. Líder histórica do seu partido, Marina estabeleceu ‘condições’ para que as negociações em torno dessa reaproximação se iniciem.

Antes de impor as ‘condições’, a ex-ministra também justificou sua ausência no evento da Rede que oficializou o apoio a Lula. O grupo no partido é liderado por Randolfe Rodrigues que integra a coordenação de campanha do petista. A posição, no entanto, não é unanimidade, o que levou a legenda a liberar seus integrantes a escolherem entre os palanques de Lula ou Ciro Gomes (PDT) em 2022.

“Eu não estava lá não por uma questão de raiva ou mágoa. Nós temos divergências políticas, e as divergências precisam ser discutidas com base em uma agenda programática”, justificou ao se dizer ‘surpresa com a surpresa’ de Lula pela sua ausência. O petista disse no encontro que esperava que Marina estivesse na mesa.

Apesar disso, a ex-ministra reforçou que estaria disposta a voltar a dialogar com Lula, bastando que o petista assumisse compromissos com a agenda programática defendida por ela e seus aliados. Em outra entrevista recente, Marina também elencou o ‘reconhecimento de erros do passado’ por parte de Lula como um ponto facilitador para essa composição.

Eu defendo a Justiça social, os direitos humanos, o desenvolvimento sustentável. É com base nessas agendas que me disponho ao diálogo. Só os autocratas não se dispõem ao diálogo. Estou aberta ao diálogo não em cima de subjetividades, se é raiva ou mágoa. Eu e Lula temos, em várias questões da vida, algumas afinidades e algumas divergências”, defendeu Marina.

Segundo destacou Marina mais adiante, será preciso que ele assuma compromissos firmes, por exemplo, com a agenda ambiental e de sustentabilidade, algo que ele ainda não teria feito.

“Colocar o tema [sustentabilidade] no centro do debate é fundamental. Precisamos focar na recuperação econômica, em gerar renda e emprego, mas com o compromisso na sustentabilidade”, defendeu Marina.

“Compromissos são aqueles que não serão deixados para depois. Ninguém trabalha com a perspectiva do cheque em branco. Esse debate ainda não está posto como deve”, completou a ex-ministra ao relembrar que Lula não abordou o tema no encontro com lideranças da Rede.

A ex-ministra também confirmou ao jornal que já conversa com Fernando Haddad (PT) para integrar seu palanque do ex-ministro em SP. De acordo com Marina, assim como no âmbito nacional, a conversa com Haddad está focando no ‘campo programático’. Pelo estado, ela disputará uma vaga na Câmara dos Deputados.

 

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.