Política

Aras contraria Bolsonaro e publica vídeo em defesa do sistema eleitoral

Em um dos trechos, o PGR afirma que foram as urnas eletrônicas que passaram a impedir fraudes nas eleições

O procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O procurador-Geral da República, Augusto Aras, publicou em seu canal de Youtube um vídeo com diversas manifestações suas em defesa do sistema eleitoral. Embora não cite o presidente Jair Bolsonaro (PL), as declarações do PGR contrariam os ataques que o ex-capitão tem feito às urnas eletrônicas.

Em um dos trechos, Aras afirma que foram as urnas que passaram a impedir fraudes nas eleições. “Nós precisamos preservar a legitimidade do processo eleitoral. As urnas eletrônicas brasileiras inegavelmente puseram fim a um conjunto de fraudes que existiam antes da existência delas”, disse o PGR. “Nós acreditamos no sistema eleitoral vigente. Nós acreditamos que teremos eleições limpas”.

Em outro recorte, ele ainda faz uma defesa da cidadania. “Sou professor de direito eleitoral e empresarial há 32 anos, estudei essa matéria a fundo. E o que eu gostaria muito mesmo é que cada cidadão brasileiro, cada cidadã brasileira fosse um fiscal das eleições”, afirmou. “Aí nós teríamos, sim, uma cidadania amplamente defendida, sem tendências ou mesmo sem suspeitas acerca da legitimidade material do poder político no nosso ambiente democrático”.

No vídeo, o PGR ainda diz que as eleições serão acompanhadas por 4 mil promotores eleitorais e procuradores regionais em tempo real. 

“Que o voto votado seja o voto apurado”, ressaltou. “Nós confiamos na nossa democracia e haveremos de ter o resultado, qualquer que seja ele, devidamente respeitado pelas instituições públicas e privadas, pelos Poderes, pelo povo brasileiro. De qualquer forma, teremos só um presidente de todos os brasileiros”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo