CartaExpressa

‘É sempre importante termos observadores no processo eleitoral’, diz Aras após reunião com a OEA

O procurador-geral da República se encontrou com uma missão chefiada pelo paraguaio Rubén Ramírez Lezcano

O ex-procurador-geral da República, Augusto Aras. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou em vídeo divulgado nesta quarta-feira 28 que “é sempre importante nós termos observadores para o nosso processo eleitoral”. A declaração ocorreu na véspera, após reunião com uma equipe de observadores enviada pela Organização dos Estados Americanos.

Em gravação publicada no YouTube, Aras aparece no encontro com o grupo chefiado pelo paraguaio Rubén Ramírez Lezcano. Na tela, um texto diz que o PGR explicou aos convidados “o papel do MPF nas eleições e sua confiança em que o pleito eleitoral ocorrerá em paz”.

“É sempre importante nós termos observadores para o nosso processo eleitoral e para qualquer processo eleitoral. O que se busca na democracia — cujo processo eleitoral é apenas o seu instrumento de aferição de legitimidade material através do voto, que deve ser votado e, também, apurado na mesma simetria — é que tudo ocorra com lisura, tudo ocorra dentro da Constituição e das Leis”, afirmou Aras.

O objetivo, segundo ele, também é “que nós tenhamos eleições em que a soberania popular, o voto popular, a vontade do povo se manifeste de forma livre e consciente, de forma correta, de como pensa o povo e o que o povo quer das suas políticas públicas, elegendo políticos que devem implementá-las”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.