Cultura

Após quase dois meses sem um nome, Regina Duarte define o nº 2 da Cultura

Iphan e Funarte, dois dos mais importantes órgãos vinculados à pasta da atriz, seguem sem ter suas chefias definidas

Foto: eprodução/Globoplay
Foto: eprodução/Globoplay
Apoie Siga-nos no

A secretária de Cultura do governo de Jair Bolsonaro, Regina Duarte, finalmente definiu um nome para ser o nº 2 da pasta. Após quase dois meses com o cargo aberto, a atriz escolheu o advogado Pedro Horta para ser o secretário especial adjunto do órgão.

A opção da secretária foi seu chefe de gabinete e agrada a militância bolsonarista, que recentemente vetou o produtor Humberto Braga por o considerar “esquerdista”. Já Pedro, antes de assumir, teceu elogios a Carlos e Eduardo Bolsonaro, fez elogios ao presidente e demonstra pertencer à ala ideológica do governo.

Professor de direito constitucional, Pedro Horta é também responsável pelo departamento comercial da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp). Em 2010, ele foi candidato a deputado federal em São Paulo pelo PTC, mas não foi eleito. Horta também já foi filiado ao PRB, PSDB e DEM.

Dificuldades em montar a equipe

Além do cargo ocupado por Pedro Horta, a ex-atriz da Globo também vem tendo dificuldade em preencher outras vagas em sua equipe. Vários nomes indicados para posições importantes da Cultura vêm sendo vetados pela militância bolsonarista.

Na semana passada, o pesquisador Aquiles Brayner, indicado para a diretoria do Departamento de Livro, Literatura e Bibliotecas, foi demitido apenas três dias após sua nomeação. Sua exoneração ocorreu por pressão de perfis bolsonaristas nas redes sociais. Segundo Brayner, estes grupos fazem um “grande complô para derrubar qualquer ação legítima no âmbito da cultura”.

Dessa forma, outros órgãos relevantes da pasta ainda seguem sem liderança definida, caso do Iphan e da Funarte, dois dos mais importantes órgãos vinculados à pasta de Regina. Tudo isso em meio à pandemia, que tem aprofundado a crise no setor cultural.

Crise, aliás, que vem gerando muitas críticas à Regina. Até o momento, a secretária não definiu um plano para a área e  tem falado pouco publicamente sobre seus planos para a pasta. Desde que tomou posse, não houve pronunciamento oficial e a atriz segue trabalhando de sua casa em São Paulo, em respeito à quarentena.

Alexandre Putti

Alexandre Putti
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.