Após Pazuello pressionar por uso de cloroquina, deputados pedem apuração

Alexandre Padilha e Marcelo Freixo acionaram o Ministério Público e TCU por ofício do Ministério da Saúde enviado à prefeitura de Manaus

EX-MINISTRO DA SAÚDE EDUARDO PAZUELLO. FOTO: SERGIO LIMA/AFP

Ao menos dois deputados federais entraram com recursos no Ministério Público Federal e no Tribunal de Contas da União para apurarem a pressão do governo federal em fazer com que a rede pública de Manaus (AM) utilize cloroquina e ivermectina, que não têm comprovação científica contra a Covid-19, no tratamento da doença.

Na terça-feira 12, em comunicado enviado à prefeitura da capital do Amazonas, a pasta pediu autorização para visitar as Unidades Básicas de Saúde destinadas a pacientes infectados pelo coronavírus “para que seja difundido e adotado o tratamento precoce como forma de diminuir o número de  internamentos e óbitos decorrentes da doença”.

Em ofício ao TCU, Alexandre Padilha (PT-SP) pede que sejam tomadas providências cautelares  “para que o Ministério da Saúde se abstenha de fazer a recomendação a estados e municípios”.

“No momento em que países já começaram o processo de vacinação da sua população é estarrecedor que o Ministério da Saúde tenha apresentado apenas um arremedo de Plano Nacional de Vacinação, e continua empenhando recursos públicos de grande vulto para oferecer medicamentos que não possuem eficácia científica comprovada contra a Covid-19.”, escreveu Padilha. “Inadmissível tamanha irresponsabilidade com os recursos públicos”, acrescenta.

 


 

Já Marcelo Freixo (PSOL-RJ) anunciou, pelo Twitter, que irá tomar medidas junto ao MPF. “Em vez de providenciar agulha, seringa e calendário de vacinação, Pazuello está pressionando a prefeitura de Manaus a distribuir cloroquina e ivermectina na rede pública. Até ronda nos postos de saúde o ministro quer fazer”, escreveu.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!