Cultura

Anitta diz que Bolsonaro não representa brasileiros em programa de maior audiência da França

Artista disse ainda que presidente ‘estimula o racismo, o preconceito, tudo de ruim’

A cantora Anitta (Foto: Reprodução)
A cantora Anitta (Foto: Reprodução)
Apoie Siga-nos no

A cantora brasileira Anitta foi convidada para falar de seu novo álbum “Versions of me” no talk show de maior audiência da TV francesa, o Quotidien, do canal TMC-TF1, na noite desta sexta-feira 25. No programa, Anitta foi perguntada sobre o presidente Jair Bolsonaro e, sem mencionar seu nome – “pois isso traz energias ruins”, se apressou em dizer que ele “não representa os brasileiros”.

“Como vai Bolsonaro?”, perguntou o apresentador do programa, Yann Barthès, em português. Anitta, que falou durante mais de dez minutos sobre vários assuntos, alternando entre o francês e o português, disse que não pronunciava o nome dele, que o chamava de Voldemort – em referência à saga Harry Potter -, “aquele que não deve ser nomeado”.

Barthès insistiu: “Mas eu posso dizer?”. Anitta fez uma cara de descontente e disse: “Se você quiser (…) É que, para mim, a política é muito importante e eu, como celebridade, como cantora… o público sempre está vendo o que eu falo. Eu gosto de passar para o público o meu pensamento político também. E eu não concordo com muita coisa que esse presidente faz: acho que ele estimula o racismo, o preconceito, tudo de ruim”, afirmou.

“O preconceito é inaceitável, ao meu ver”, continuou a cantora, que, em seguida, lembrou que Bolsonaro teve uma “questão com o presidente francês”, Emmanuel Macron, e a primeira-dama, Brigitte Macron. Yann Barthès disse que “ele não foi muito elegante”, fazendo referência ao episódio em que o brasileiro endossou o comentário de um internauta no Facebook que ironizava a esposa do chefe de Estado francês. Anitta se apressou em deixar claro: “Ele não representa de jeito nenhum os brasileiros, nós somos super respeitosos”.

Superstar mundial

No programa, Anitta, que foi apresentada como “superstar sul-americana que virou superstar mundial”, defendeu a liberdade dos corpos – todos os tipos de corpos. E disse que ela mesma dirige os seus videoclips, que são uma extensão de suas músicas.

O apresentador Yann Barthès apresentou vários clips da cantora no programa e comentou especificamente “Girl from Rio”: “é meio louco para nós, franceses, um pouco travados, ver a relação incrível dos brasileiros com os corpos”, disse.

“Nós, brasileiros, somos muito livres. Eu gosto de passar a mensagem que a gente pode fazer o que a gente quiser: homem, mulher… Existe uma cultura onde o homem pode tudo; quando as mulheres fazem as mesmas coisas que os homens, elas são julgadas, Então eu gosto de quebrar esse tabu”, respondeu Anitta.

Língua sexy

Anitta, que se disse admiradora da cultura francesa, contou que começou a aprender a língua durante o confinamento e que acha o francês uma língua “muito sexy”. Yann Barthès rebateu dizendo também considerar a “língua brasileira” sexy.

A cantora disse que começou a estudar francês no Instagram com seus milhões de seguidores, para juntos aprenderem a língua de Molière.Ela disse ainda que seu filme preferido “da vida” é o francês “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, de Jean-Pierre Jeunet (2001). Ela teve o seu francês elogiado ao final de sua participação e foi convidada a voltar a Paris e ao programa.

Anitta também foi questionada sobre Neymar e o PSG e disse: “Eu não entendo nada de futebol, são vocês que vão ter que me dizer. Se vocês gostam dele, vocês me dizem e eu levo a mensagem para o Brasil”, disse.

A artista começa neste mês uma turnê europeia com shows em Portugal, França, Itália e Suíça – incluindo o icônico Festival de Jazz de Montreaux -, entre outros.

RFI

RFI
Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.