Política

Aldo Rebelo toma posse como secretário de Nunes, candidato de Bolsonaro em São Paulo

Em seu discurso, o novo secretário afirmou que a vocação do Brasil em conflitos como o de Gaza é ‘sempre ser parte da solução, não do problema’

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, e o secretário Aldo Rebelo. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro Aldo Rebelo tomou posse nesta segunda-feira 19 como secretário de Relações Internacionais da prefeitura de São Paulo, sob a gestão de Ricardo Nunes (MDB). Ele substituirá Marta Suplicy, que deixou a pasta para retornar ao PT e ser vice de Guilherme Boulos (PSOL) na eleição municipal de outubro.

Entre os presentes estiveram o ex-presidente Michel Temer (MDB), os governadores emedebistas Helder Barbalho (Pará) e Paulo Dantas (Alagoas), o senador Ciro Nogueira (PP-PI) e o secretário de governo do estado de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD).

Em seu discurso, Aldo afirmou que a vocação do Brasil em conflitos como aquele entre Israel e o Hamas é “sempre ser parte da solução, não do problema”. Ele não mencionou diretamente a declaração do presidente Lula (PT) que estabeleceu uma comparação indireta entre os bombardeios israelenses contra a Faixa de Gaza e o Holocausto.

Nunes receberá o apoio de Jair Bolsonaro (PL) na eleição para a prefeitura de São Paulo. Questionado sobre a investigação da Polícia Federal contra o ex-presidente pela tentativa de golpe de Estado em 2022, o prefeito tentou se esquivar.

“O artigo 5º é muito claro com relação à presunção de inocência e ao direito de todos fazerem suas defesas. As coisas estão caminhando. Acredito muito nas instituições”, disse Ricardo Nunes. “Não compete a mim fazer essa avaliação (se Bolsonaro é culpado).”

Aldo Rebelo foi deputado federal por cinco mandatos pelo PCdoB. Durante os governos de Lula e Dilma Rosuseff (PT), foi ministro da Defesa; de Ciência, Tecnologia e Inovação; do Esporte; e de Coordenação Política e Assuntos Econômicos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo