Política

Alckmin vice de Lula é ‘mau sinal’ e ‘opção arriscada’, diz Guilherme Boulos

Pré-candidato ao governo de São Paulo, o psolista defende o apoio a Lula, mas diz ser necessário ‘disputar o perfil’ da candidatura

O pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSOL, Guilherme Boulos. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Pré-candidato a governador de São Paulo pelo PSOL, Guilherme Boulos chamou de “mau sinal” a possibilidade de que o ex-tucano Geraldo Alckmin seja lançado como vice de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para a eleição presidencial deste ano. Em entrevista a CartaCapital, nesta terça-feira 18, Boulos lembrou a atuação de Michel Temer (MDB) como vice de Dilma Rousseff (PT) e disse que Alckmin seria uma escolha “muito arriscada”.

“Nós vivemos, há cinco anos, um golpe parlamentar no Brasil, numa situação em que a presidenta Dilma, do PT, tinha um vice, o Temer, do MDB, que representa historicamente o mesmo campo político que o Geraldo Alckmin, e que, num momento de instabilidade política do governo, atuou de maneira deliberada para derrubar a Dilma”, afirmou. “Nós não sabemos como vai ser o Brasil em 23 e 24. Se você tem um cenário de conflagração de um conflito de interesses forte entre o governo e o mercado financeiro e setores do Centrão, ele [Alckmin] já tem uma solução pronta no Palácio do Jaburu esperando. É uma opção, além de tudo, muito arriscada”, declarou.

Boulos criticou a passagem de Alckmin na chefia do governo do estado de São Paulo, especialmente entre 2011 e 2018, quando foi responsabilizado “politicamente” por operações de despejos, como no caso de Pinheirinho, em São José dos Campos (SP), em 2012. Nas palavras do pré-candidato do PSOL, o ex-tucano “comandou uma operação de guerra” na ocasião, que resultou em “barbárie”.

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto citou ainda o aumento da letalidade por ações policiais, os atritos com as ocupações de escolas públicas e a abertura de capital da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a Sabesp, que entrou na Bolsa de Valores em Nova York durante a primeira gestão Alckmin (2001-2008) e foi submetida a um processo de privatização da estatal.

Boulos também questionou supostas vantagens eleitorais que a candidatura petista receberia ao aglutinar a figura de Alckmin na chapa. Para o psolista, Alckmin não ajudaria nem mesmo a ter maior governabilidade no Congresso, visto que não detém parlamentares nas duas casas legislativas.

“Eleitoralmente, você acha de verdade que um conservador do interior de São Paulo vai votar no Lula porque o Alckmin é vice? É mais fácil ele jogar tomate no Alckmin e chamar de traidor”, considerou. ”

Para Boulos, o PSOL se encaminha para trabalhar no entorno da campanha de Lula, mas deveria dedicar esforços para “disputar o perfil da candidatura”. Boulos diz que o debate do partido será programático e defendeu como prioridades para a campanha federal a revogação da reforma trabalhista e do teto de gastos.

Em congresso interno realizado no ano passado, maior parte da legenda votou por apoiar Lula e não lançar candidatura própria, mas um setor expressivo se manifestou pelo contrário. A sigla adiou para este ano o anúncio da decisão final.

Confira a entrevista na íntegra:

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo