Política

Alckmin representa Lula em feira do MST e defende a Reforma Agrária

O vice-presidente se disse ‘cauteloso’ sobre a CPI aberta contra o movimento e reforçou que o trabalho do Congresso não é ‘policialesco’

O vice-presidente Geraldo Alckmin em Feira do MST em São Paulo. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O vice-presidente Geraldo Alckmin participou neste sábado 13 da Feira Nacional da Reforma Agrária, promovida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. O pessebista cumprimentou simpatizantes e experimentou um sorvete natural em sua chegada ao evento.

Alckmin representa o presidente Lula (PT) na agenda, a contar ainda com a participação de outros integrantes do governo, a exemplo do ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira, e do secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo.

Questionado sobre a CPI do MST, o vice-presidente afirmou que o trabalho do Legislativo não é “policialesco.” “Sou muito cauteloso com essa história da CPI”, ponderou. “Já existem muitos órgãos de fiscalização.”

Na Feira, Alckmin também se disse defensor da Reforma Agrária. “Na realidade, o governo do presidente Lula e todos nós defendemos”, acrescentou.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, está no Japão, mas apareceu como “garoto-propaganda” de uma marca de fubá exposta na Feira e compartilhou o registro nas redes sociais.

No evento, Paulo Teixeira, ironizou a CPI criada para investigar o MST. “Vão encontrar coisas gravíssimas. Suco de uva feito sem trabalho escravo, arroz integral, milho, soja não transgênica”, afirmou Teixeira. “A CPI quer botar fogo nas relações. Se é para discutir paz no campo, não tem a ver com o MST.”

O ministro avalia como “superados” os focos de tensão entre o movimento e setores do governo durante ocupações promovidas em abril. “Ali, naquele momento, nós pedimos para que eles se retirassem das áreas da Embrapa e da Suzano. E eles se retiraram. Estabelecemos uma mesa de negociação em torno das áreas da Suzano.”

No início de maio, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, chegou a comparar ocupações de terras produtivas aos ataques golpistas de 8 de Janeiro.

Em abril, o governo confirmou a inclusão do MST no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Lula, conhecido como “Conselhão”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.