CartaExpressa

AGU diz ao STF que vazamento de data para depoimento ‘constrange’ Bolsonaro

O ex-capitão foi intimado a depor à PF, nesta sexta-feira 27, sobre o vazamento de um inquérito

Foto: EVARISTO SA/AFP
Foto: EVARISTO SA/AFP
Apoie Siga-nos no

A Advocacia-Geral da União pediu ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, que acione a Procuradoria-Geral da República para apurar o vazamento da informação de que a Corte havia estabelecido esta sexta-feira 28 como limite para o presidente Jair Bolsonaro depor à Polícia Federal sobre a divulgação ilegal de um inquérito.

O órgão de defesa do governo também alega que o ex-capitão não vazou documentos sigilosos sobre um ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral. A AGU tentou obter do STF o aval para Bolsonaro não depor na investigação.

A demanda foi rejeitada por Moraes, que intimou o presidente a depor na Superintendência da PF no Distrito Federal nesta sexta 28, às 14h. O ministro também levantou o sigilo dos autos.

Segundo a AGU, a divulgação da data-limite para o depoimento “repercute em constrangimentos ao Senhor Presidente da República, uma vez que cria expectativa e interesse da imprensa, que já lhe aborda com perguntas para maiores detalhes sobre a aludida oitiva e aspectos correlatos do inquérito”.

A defesa do governo argumenta que essa “ampla publicidade tem o condão de romper com a presunção de inocência, ou mesmo ser objeto de incompreensões pela sociedade civil, que não domina detalhes técnicos do Direito Processual Penal e do Sistema Acusatório a repercutir, até mesmo, em pré-julgamentos e prejuízos que não se pode, ainda, mensurar”.

A investigação trata do episódio em que Bolsonaro divulgou, em entrevista à Jovem Panum inquérito que tratava de uma invasão hacker ao sistema eleitoral em 2018. À época, o presidente tentava levantar suspeitas sobre a segurança das urnas eletrônicas, mas não apresentou qualquer comprovação de fraude.

O TSE admitiu a existência do inquérito, mas informou que não houve risco à integridade da eleição daquele ano, em que Bolsonaro saiu vitorioso no 2º turno.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.