Advogado de Barros atuou na negociação de compra da vacina da CanSino

A participação de Flávio Pansieri é mais um elemento da possível influência do deputado no acordo

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR). Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Política

O advogado Flávio Pansieri, que defende o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), atuou como representante legal da vacina Convidencia, novo alvo de suspeitas na CPI da Covid. A informação é da Folha de S. Paulo.

A participação do advogado de Barros na negociação é mais um elemento da possível influência do deputado no acordo.

 

 

A atuação de Pansieri foi registrada pela Anvisa no último dia 30 de abril, em reunião para tratar dos trâmites da aprovação do imunizante no Brasil. Pansieri participou em nome do Instituto Vital Brazil, representando juridicamente a Belcher.

Semanas depois, com as acusações do caso Covaxin, Barros precisou se defender. Para isso, encaminhou uma defesa preliminar à Justiça. Pansieri é quem assina o documento. Ele aparece também em outro documento do deputado, enviado ao STF no caso envolvendo a Galvão Engenharia. Até março, o advogado também era sócio de Diego Campos, genro do parlamentar.

 

As suspeitas na vacina da CanSino

A vacina é produzida pelo laboratório CanSino, mas sua negociação é intermediada pela Belcher Farmacêutica, com sede em Maringá, cidade onde Barros foi prefeito. Além do advogado Pansieri, a família de um dos sócios da Belcher possui fortes laços com o deputado.

No início de junho, o governo federal assinou uma carta de compromisso de compra em que se dispõe a adquirir 60 milhões de doses do imunizante ao preço de 17 dólares a unidade. O negócio ultrapassaria, portanto, a casa dos 5 bilhões de reais.

A Convidencia tem forte apoio de empresários bolsonaristas. Luciano Hang e Carlos Wizard são alguns dos nomes envolvidos no lobby pela aquisição do imunizante.

O pedido de uso emergencial da vacina, processo do qual Pansieri atuou, foi protocolado em maio na Anvisa com o apoio do grupo de empresários, mas segue parado por falta de documentação.

A Belcher, intermediária na negociação, tem suspeitas de irregularidades em contratos recentes. A empresa é investigada na operação Falso Negativo, que apura o superfaturamento de testes de Covid-19 adquiridos pelo governo do Distrito Federal.

A negociação da CanSino e a participação do deputado Ricardo Barros são alvos de investigação na CPI da Covid no Senado.

Barros informou à Folha não ver impedimento do seu advogado ter atuado para a Belcher no processo. Pansieri, por sua vez, diz não ser o representante da empresa, mas que apenas atuou como assessor jurídico no processo de liberação da vacina na Anvisa. Já a CanSino informou a Anvisa que a Belcher e o Instituto Vital Brazil não são mais seus representantes.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem