Acusado de importunação sexual, Cury dispensa sustentação oral diante do partido

Na próxima semana, o conselho de ética do Cidadania deve receber parecer da relatora do caso, que será votado

Acusado de importunação sexual, Cury dispensa sustentação oral diante do partido

Política

Alvo de procedimento no Conselho de Ética do Cidadania por importunação sexual contra a deputada Isa Penna (PSOL), o deputado Fernando Cury dispensou a sustentação oral que faria perante ao colegiado do partido na quinta-feira 7. A expectativa é a de que a relatora do caso, Mariete de Paiva Souza, entregue o parecer envolvendo o caso na próxima semana, diz a legenda.

 

 

 

“O direito de se manifestar pessoalmente estava garantido, o deputado teria este importante momento para falar com o colegiado e expor suas razões. Mas, conforme o documento enviado por ele, seu advogado achou por bem desconsiderar o trabalho que está sendo feito e renovar questões que serão discutidas no Diretório Nacional. É uma pena”, registrou a relatora do processo em nota.

O procedimento foi aberto logo após o episódio, que foi transmitido ao vivo pelo canal da Alesp no Youtube em dezembro. Nas imagens, Isa Penna é vista conversando com o presidente da Casa, Cauê Macris (PSDB), quando Cury se aproxima da Mesa Diretora, se posiciona atrás da deputada e coloca a mão na lateral de seus seios. Isa empurra o deputado para afastá-lo em seguida.

A oitiva de Cury foi marcada a pedido do próprio deputado, diz o Cidadania. No entanto, segundo o partido, o parlamentar, por orientação da defesa, dispensou a sustentação oral sob alegação de que havia sido marcada de forma célere.

Também em nota, o presidente do Conselho de Ética do partido, Alisson Micoski, indicou que a instância partidária não é ‘órgão jurisdicional’, mas político, e ponderou que a defesa não tratou até o momento da ‘essência da representação’ – o assédio flagrado pelas câmeras da Alesp. A defesa questiona suposta interferência da presidência do Cidadania e de fontes externas ao partido no processo.

“O Conselho não está vinculado aos códigos processuais, com rigor no formalismo. Nosso norte são o Código de Ética e o Estatuto, mas as bases da ampla defesa e do devido processo legal foram observadas. Teve prazo para defesa e acatamos o pedido de sustentação oral. O que é relativo ao objeto da representação foi garantido. Nem Roberto Freire nem Luciano Huck têm voto neste colegiado. O que posso dizer é que concordo com o apresentador: aos assediadores, os rigores da lei e o repúdio público”, indicou.

Micoski disse ainda que o Conselho mantém a expectativa de receber o parecer da relatora no próximo dia 10. Os demais integrantes do colegiado poderão propor emendas ao relatório. Após concluído, o documento será votado e encaminhado à Presidência Nacional do Cidadania.

“Isso possivelmente já será feito na segunda-feira 11. Caberá então à Presidência convocar o Diretório Nacional para avaliar a peça, decidindo se aprova ou rejeita o relatório, que pode indicar já eventuais punições”, comentou Micoski.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem