Política

A relação entre a fraude no cartão de vacinação de Bolsonaro e a tentativa de golpe, segundo a PF

A conexão entre os casos foi apontada pelo relatório que indiciou Bolsonaro, Cid e outras 15 pessoas pela fraude nos certificados de vacinação; ex-capitão integraria uma associação criminosa, diz o documento

Foto: NELSON ALMEIDA / AFP
Apoie Siga-nos no

O Relatório da Polícia Federal que indiciou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), nesta segunda-feira 18, pela fraude nos cartões de vacinação da Covid-19 aponta um possível elo entre o esquema de falsificação de documentos e a tentativa de golpe de Estado em 2022. 

O documento produzido pelos investigadores, ao qual CartaCapital teve acesso, relacionou a data dos casos e explicou que a falsificação dos certificados de vacina pode ter sido realizada para uma possível fuga do ex-capitão e aliados durante a trama antidemocrática. 

“O presente eixo [falsificação dos cartões] (…) pode ter sido utilizado pelo grupo para permitir que seus integrantes, após a tentativa inicial de golpe de Estado, pudessem ter à disposição os documentos necessários para cumprir eventuais requisitos legais para entrada e permanência no exterior (cartão de vacina), aguardando a conclusão dos atos relacionados a nova tentativa de Golpe de Estado que eclodiu no dia 8 de janeiro de 2023“, afirma o relatório. 

O registro falso de vacinação de Bolsonaro contra a Covid foi inserido nos dados oficiais do governo brasileiro em 21 de dezembro de 2022. Em 30 de dezembro, na véspera do fim do mandato, Bolsonaro embarcou para o exterior. Ele passou mais de três meses nos Estados Unidos.

Nesse período, parte das Forças Armadas já teria desembarcado do plano golpista, logo, o grupo do ex-presidente escolheu deixar o País e, por medo de serem barrados, fraudaram os cartões de vacinação. De lá, Bolsonaro assistiu apoiadores, que teriam sido liderados por seus aliados, invadirem as sedes dos Três Poderes. A tentativa de golpe, no entanto, foi contida horas depois.  

Segundo a PF, a mesma associação criminosa responsável pela fraude nos cartões de vacina seria a que orquestrou o golpe. O grupo, do qual Bolsonaro seria um integrante, de acordo com o relatório, promoveu também “ataques virtuais a opositores; ataques às instituições (STF, TSE), ao sistema eletrônico de votação e à higidez do processo eleitoral”. Tudo isso, diz a PF, ajudou a pavimentar o caminho para a tentativa de ruptura.

Além de Bolsonaro, outras 16 pessoas foram indiciadas pela Polícia Federal na investigação que apura o suposto esquema de falsificação de vacinas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo