A Chevron segue em apuros

Política

O ministério Público Federal (MPF) entrou com nova ação civil pública contra as empresas Chevron e Transocean, na qual pede indenização de 20 bilhões de reais por causa do segundo vazamento descoberto em março no Campo de Frade, na Bacia de Campos, no Rio. Pelo primeiro, em 2011, quando perto de 2,4 mil barris de petróleo vazaram, o MPF já havia pleiteado 10,9 bilhões de dólares da Chevron.

A Procuradoria quer agora que tanto a Chevron, operadora do campo, como a Transocean, dona da plataforma, sejam impedidas de operar no -País e de remeter lucros ao exterior. O procurador da República, Eduardo Santos de Oliveira, pede ainda a reavaliação do Plano de Emergência Individual, que deveria ter impedido a ocorrência de novos vazamentos. Segundo Oliveira, falhas no plano de contingência e no dimensionamento da operação e a falta de fiscalização das empresas foram a causa. A Chevron afirmou que a ação “faz parte de uma série ultrajante de ações impetradas pelo mesmo promotor” e que o valor “não está baseado em fatos”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem

A Chevron segue em apuros

Política

O ministério Público Federal (MPF) entrou com nova ação civil pública contra as empresas Chevron e Transocean, na qual pede indenização de 20 bilhões de reais por causa do segundo vazamento descoberto em março no Campo de Frade, na Bacia de Campos, no Rio. Pelo primeiro, em 2011, quando perto de 2,4 mil barris de petróleo vazaram, o MPF já havia pleiteado 10,9 bilhões de dólares da Chevron.

A Procuradoria quer agora que tanto a Chevron, operadora do campo, como a Transocean, dona da plataforma, sejam impedidas de operar no -País e de remeter lucros ao exterior. O procurador da República, Eduardo Santos de Oliveira, pede ainda a reavaliação do Plano de Emergência Individual, que deveria ter impedido a ocorrência de novos vazamentos. Segundo Oliveira, falhas no plano de contingência e no dimensionamento da operação e a falta de fiscalização das empresas foram a causa. A Chevron afirmou que a ação “faz parte de uma série ultrajante de ações impetradas pelo mesmo promotor” e que o valor “não está baseado em fatos”.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem