Política

61% dos brasileiros desejam que posse de armas seja proibida

Pesquisa Datafolha também aponta que 68% são contra facilitar acesso a armas armas

Homens, ricos e heterossexuais são mais propensos a defenderem a posse de armas (Foto: Pixabay)
Homens, ricos e heterossexuais são mais propensos a defenderem a posse de armas (Foto: Pixabay)
Apoie Siga-nos no

O percentual de brasileiros que são contrários à liberação da posse de armas de fogo aumentou, de acordo com uma pesquisa Datafolha divulgada na segunda-feira 31. No total, seis em cada dez brasileiros declararam que a posse de armas deve ser proibida, pois “representa ameaça à vida das pessoas”.

Em outubro, 55% dos entrevistados eram contrários à posse. Agora o percentual alcança 61%. Ainda segundo o Datafolha, o percentual de pessoas que considera a posse “um direito do cidadão para se defender” diminuiu, passando de 41%, em outubro, para 37% no levantamento mais recente.

Ainda segundo o Datafolha, homens, pessoas de maior renda e heterossexuais são mais propensos a defenderem a posse de armas. Enquanto 71% das mulheres são contra a posse, o percentual é de 51% entre os homens. Entre os entrevistados que ganham até dois salários mínimos, 32% defendem a posse. Já entre aqueles que ganham mais de dez salários, o percentual é de 54%. Já entre os gays, 77% são contra a posse de armas. Entre os heterossexuais, o índice é de 59%.

A pesquisa também mostrou disparidades regionais. O Nordeste concentrou o menor percentual de pessoas favoráveis à posse armas: 32%. Enquanto no Sul, 47% apoiam a posse. No Sudeste, o índice chegou a 35%. Quando indagados se o acesso às armas deve ser facilitado, apenas 30% dos entrevistados responderam que sim. Destes, apenas 16% concordaram totalmente, enquanto 14%, parcialmente. Já 68% que disseram ser contrários ao afrouxamento das regras existentes.

Leia também: A defesa do campo não se dará com armas

O Datafolha informa que ouviu 2.077 pessoas em 130 municípios para realizar o levantamento.

Apesar de 61% rejeitarem a posse e o percentual ter aumentado nos últimos meses, o índice já foi mais alto. Em 2013, um levantamento Datafolha apontou que 68% eram contrários à posse.

Promessas de Bolsonaro
A facilitação do acesso e posse de armas foi uma das principais promessas de campanha do presidente eleito Jair Bolsonaro. No sábado, ele disse no Twitter que pretende assinar um decreto para “garantir a posse de arma de fogo para o cidadão sem antecedentes criminais, nem como tomar seu registro definitivo”.

Leia também: Com Bolsonaro, Brasil aposta no militarismo e expõe face obscurantista

Hoje, para conseguir a posse de uma arma de fogo é preciso cumprir uma série de requisitos. Bolsonaro não especificou o quais regras devem ser alteradas pelo decreto. Nos últimos anos, parlamentares favoráveis ao afrouxamento do Estatuto do Desarmamento levantaram a possibilidade de baixar a idade mínima para a posse (hoje 25 anos) e acabar com a necessidade de declarar a efetiva necessidade da arma.

O direito à posse permite a manutenção de armas em casa ou no local de trabalho. Já o porte de armas é proibido, salvo em casos excepcionais.

Deutsche Welle

Deutsche Welle
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.