Seria Mourão o maior erro da vida de Bolsonaro?

O desentendimento entre presidente e vice fermenta e não falta quem jogue lenha na fogueira. O caso não tem similares na história do País

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Opinião,Política

Talvez o capitão de reserva Jair Bolsonaro tenha cometido o maior erro da sua vida política ao convidar o general de reserva Hamilton Mourão para compor a parceria na eleição presidencial de 2018. Bolsonaro ganhou e levou com ele, naturalmente, o vice-presidente.

Cedo, cedo, a relação entre Bolsonaro e Mourão azedou. O vice desandou a falar e surpreendeu não só o eleitorado. Na viagem a Israel já como presidente, Bolsonaro anunciou que levaria a embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém. Mourão, de Brasília, rebateu: “Eu não faria isto”.

Este vice não está nos conformes. Pode ser que pretenda ir além do “mais longe”. Bolsonaro, com quase 30 anos de política e seu passado de farda, já deve conhecer os princípios da relação entre os que mandam e os que obedecem. É simples: “Esta parece pneumonia”.

Outros contrapontos à refrega latente se sucederam. O vice chegou a dizer que, fosse presidente, teria escolhido outras pessoas para seu governo. Nas redes sociais, dois dos filhos de Bolsonaro partiram em defesa do pai. Provocação? Não. A surpresa, para alguns, parece levar o caso para outro caminho.

O presidente se dispôs a calar, enquanto os filhos continuaram a provocar. Eles convocaram o “guru” Olavo de Carvalho, ideólogo da família e do bolsonarismo.

A história política da República nada fala, ou quase nada, a respeito da participação dos vices, embora a figura tenha assumido papel importante em vários momentos. À sonolência do governo de Dutra (1946/1951) sucede-se a história turbulenta do governo de Getúlio Vargas, ao cabo traído pelo vice Café Filho. João Goulart foi leal ao presidente Kubitschek, posteriormente Jânio Quadros renunciou e deixou a Presidência do governo a Jango, abatido pelo golpe de 1964.

Foram 21 anos do mando da farda e é impossível não falar da ditadura herdada por Mourão, conquanto de pijama. O vice José Sarney não conspirou contra Tancredo, mas ficou com a Presidência por obra do destino.

Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão são dois companheiros de quartel, mas um é ex-capitão e o outro, um general aposentado. A diferença dos graus talvez explique algumas coisas, entretanto a batalha doméstica é sempre muito difícil.

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor Especial da revista CartaCapital

Compartilhar postagem