Arthur Chioro

Ex-ministro da Saúde

Opinião

assine e leia

Reincidência sanitária

Embora a OMS tenha classificado a varíola dos macacos como uma emergência global, a resposta brasileira mostra-se lenta, débil e desarticulada

Manchas causadas pela varíola dos macacos - Foto: iStock
Manchas causadas pela varíola dos macacos - Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou, em 23 de julho, a varíola dos macacos, uma tradução literal incorreta de Monkeypox, como uma nova emergência de saúde pública de preocupação internacional.

O comunicado foi feito após o registro de mais de 16 mil casos – ainda que com apenas cinco mortes diretamente associadas –, em mais de 70 países, em apenas dois meses. Trata-se, só neste século, do sétimo evento classificado como emergência global, todos causados por vírus: Influenza H1N1 em 2009, Poliomielite em 2014, Ebola em 2014 e 2018, Zika em 2016 e Covid-19 em 2020.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

Arthur Chioro

Arthur Chioro
Ex-ministro da Saúde

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.